ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Villa Romana de S. Cucufate

Viola Campaniça

Templo romano de Évora

Bonecos de São Bento do Cortiço

Castelo de Arraiolos

Castelo de Belver

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Miróbriga

Villa Romana de Torre de Palma

 

Sé de Évora

Brincas de Évora

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Villa Romana de S. Cucufate

Sé de Évora

Castelo da Amieira do Tejo

Sé de Évora

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo de Viana do Alentejo

Miróbriga

Castelo de Evoramonte

Évoramonte

Jangada de São Torpes

cavalo pintado

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castro da Cola (Ourique)

Castelo de Santiago do Cacém

Castelo da Amieira do Tejo

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

Gruta do escoural

Destaques
Imprimir documento


Concerto de Ano Novo - Capella Patriarchal - 13 de janeiro - Sé de Évora
02-01-2018
Concerto de Ano Novo - Capella Patriarchal - 13 de janeiro - Sé de Évora

O Livro de S. Vicente - Polifonia portuguesa tardo - quinhentista é o tema do concerto de Ano Novo que terá lugar dia 13 de janeiro (sábado), às 18 horas, na Sé de Évora, interpretado por Capella Patriarchal, com direção e órgão a cargo de João Vaz.

A iniciativa é organizada por althum.com, conta com a Fundação EDP como mecenas e com o apoio de: Direção Regional de Cultura do Alentejo, Fundação Eugénio de Almeida, Dinarte Machado - Atelier Português de Organaria, Unipessoal, Can-Do - Publicidade e Marketing, Biblioteca Nacional de Portugal, ERT - Entidade Regional de Turismo do Alentejo, Câmara Municipal de Évora, RTP2 e Antena2.

Este concerto terá também lugar na Igreja de S. Vicente, em Lisboa, dia 22 de janeiro, às 21h30.

A entrada é livre mediante reserva.


Para reserva e mais informações contactar:

info@althum.com

T. 919 745 338

 

Évora, Catedral, 13 de Janeiro de 2018, 18h00

Lisboa, Igreja de São Vicente de Fora, 22 de Janeiro de 2018, 21h30



O LIVRO DE S. VICENTE
Polifonia portuguesa tardo-quinhentista



ANTÓNIO CARREIRA (a.1540-a.1597)

Sexti toni, fantasia a quatro
Quartus tonus, fantasia a quatro
Fantasia e Lá-Ré

[FR. ANTÓNIO CARREIRA] (c.1550/55-1599)
Asperges me                                   

CANTOCHÃO (Manuale processionum, 1596)
Hossana filio David                               
 
FR. ANTÓNIO CARREIRA
In monte Oliveti                               
 
CANTOCHÃO (Manuale processionum, 1596)
Pueri Hebraeorum portantes                           
 
FILIPE DE MAGALHÃES (c. 1571-1652)
Pueri Hebraeorum vestimenta                           
 
ANTÓNIO CARREIRA (a.1540-a.1597) / FR. ANTÓNIO CARREIRA
Gloria, laus, et honor                               
 

CANTOCHÃO (Manuale processionum, 1596)
Ingrediente Domino                               
 
FR. ANTÓNIO CARREIRA
Missa de Domingo de Ramos                           
Kyrie (alternado com cantochão)
Credo (alternado com cantochão)
Sanctus e Benedictus
Agnus Dei (alternado com cantochão)
Deo gratias (a 5)
 
[FR. ANTÓNIO CARREIRA]
Crux fidelis                                   
 


Capella Patriarchal
Mónica Santos, Mariana Moldão, sopranos
Carolina Figueiredo, contralto
João Rodrigues, tenor
Manuel Rebelo, baixo
João Vaz, órgão e direção

O Livro de São Vicente - Polifonia portuguesa tardo-quinhentista

O Livro de São Vicente é um livro de coro de grande formato que pertence atualmente ao acervo do Arquivo da Sé Patriarcal de Lisboa e que deve o seu nome ao facto de se conservar anteriormente na Igreja de São Vicente de Fora. O manuscrito em pergaminho foi concebido como um Ofício da Semana Santa para uso do Convento da Graça em Lisboa. Apesar de ter sofrido uma mutilação, perdendo mais de quarenta fólios, constitui presentemente um dos mais valiosos repositórios da polifonia portuguesa tardo-quinhentista, nomeadamente da obra de Frei António Carreira (c.1550/55-1599), eremita de Santo Agostinho que faleceu em Lisboa, no Convento da Graça. O Livro de São Vicente foi objeto de um estudo profundo e de uma transcrição integral por João Pedro d'Alvarenga. Várias obras nele contidas foram apresentadas em primeira audição moderna pelo Capella Patriarchal, no âmbito dos concertos de Ano Novo do Patriarcado de Lisboa. O programa deste ano de 2018 reflete a prática musical no final do século XVI no âmbito da liturgia do Domingo de Ramos e inclui a primeira execução moderna de algumas obras, entre as quais Asperges me atribuída a Frei António Carreira.


Capella Patriarchal

Criado em 2006 e contando com diversas apresentações em Portugal, Espanha e Alemanha, este agrupamento é um projeto destinado fundamentalmente à divulgação dos tesouros da música sacra portuguesa. Apresenta frequentemente obras inéditas, pautando-se por um cuidadoso trabalho prévio de investigação das fontes musicais, assim como por um intenso esforço de observação das práticas interpretativas das diversas épocas. A presença do órgão na formação do grupo resulta do trabalho de João Vaz em relação à música de órgão portuguesa dos séculos XVI a XIX, que através do estudo direto das fontes, aborda a música vocal, contando para isso com a colaboração de cantores especialmente dedicados a este tipo de repertório. O Capella Patriarchal gravou em CD os Responsórios de Quinta-Feira Santa e Missa Ferial de Frei Fernando de Almeida, assim como os Responsórios de Sexta-Feira Santa de Frei José Marques e Silva. Estas gravações foram as primeiras integralmente dedicadas aqueles compositores.


João Vaz

Natural de Lisboa, João Vaz é diplomado em Órgão pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou com Antoine Sibertin-Blanc, e pelo Conservatório Superior de Música de Aragão, em Saragoça, onde trabalhou com José Luis González Uriol, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. É também doutorado em Música e Musicologia pela Universidade de Évora, tendo defendido, sob a orientação de Rui Vieira Nery, uma tese sobre a música portuguesa para órgão no final do Antigo Regime. Tem mantido uma intensa atividade a nível internacional, quer como concertista, quer como docente, em cursos de aperfeiçoamento organístico. Efetuou mais de uma dezena de gravações discográficas a solo, salientando-se as realizadas em órgãos históricos portugueses. As suas publicações incluem artigos que incidem sobretudo na música de tecla portuguesa. Atualmente leciona órgão na Escola Superior de Música de Lisboa, tendo também exercido funções docentes no Instituto Gregoriano de Lisboa, Universidade de Évora e Universidade Católica Portuguesa (Escola das Artes). É atualmente diretor artístico do Festival de Órgão da Madeira e das séries de concertos que se realizam nos seis órgãos da Basílica do Palácio Nacional de Mafra (de cujo restauro foi consultor permanente) e no órgão histórico da Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, instrumento cuja titularidade assumiu em 1997.

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

João Cutileiro - A PEDRA NÃO ESPERA - Maquetas e escultura para o espaço urbano



EMAGENDA

<setembro de 2018>
domsegterquaquisexsáb
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se