ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castelo da Amieira do Tejo

Castelo de Evoramonte

Bonecos de São Bento do Cortiço

Miróbriga

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo da Amieira do Tejo

Villa Romana de S. Cucufate

Villa Romana de Torre de Palma

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo de Arraiolos

Castelo de Viana do Alentejo

cavalo pintado

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo de Belver

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Évoramonte

Miróbriga

 

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Gruta do escoural

Viola Campaniça

Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Jangada de São Torpes

Castelo de Santiago do Cacém

Brincas de Évora

Sé de Évora

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Sé de Évora

Templo romano de Évora

Castelo de Viana do Alentejo

Destaques
Imprimir documento


Destruições de património arqueológico no Alentejo - DRC promove prevenção
11-01-2018
Destruições de património arqueológico no Alentejo - DRC promove prevenção

Na sequência dos factos que têm vindo a ocorrer no Alentejo, com particular incidência no distrito de Beja, a respeito de destruições de património arqueológico ocasionadas por plantações extensivas de espécies de crescimento rápido, como o olival e o amendoal, designadamente as afetações ou destruições de sítios arqueológicos ocorridas na Herdade da Torre de S. Brissos e no sítio da Salvada, no concelho de Beja, no Monte de S. Bartolomeu, Alvito, no Monte da Chaminé, Ferreira do Alentejo, na Anta do Zambujal, Vidigueira e no Monte da Contenda, Arronches, entre outros, a Direção Regional de Cultura do Alentejo tem vindo a realizar diligências, na medida das suas possibilidades técnicas e das competências que lhe estão atribuídas, no sentido de prevenir ocorrências desta natureza nomeadamente através de ações de sensibilização junto da GNR, mas também através da criação de mecanismos mais expeditos de comunicação, acordados com o Ministério Público da comarca de Beja.Importa ter presentes os elevados custos financeiros das operações preventivas e de salvaguarda dos sítios arqueológicos realizadas no âmbito do projeto do regolfo do Alqueva e da rede primária de rega suportados pelo Erário Público, que se impõe que sejam salvaguardados.
Com vista a prevenir novas destruições do património arqueológico nacional estão igualmente a ser desenvolvidos esforços com o Ministério da Agricultura, através da sua Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo (DRAPAL), no sentido de identificar e estabelecer mecanismos de cooperação entre serviços que permitam uma troca de informação, visando assegurar um maior controlo prévio de ações lesivas para o património arqueológico e possibilitar a intervenção, em tempo útil, por parte das entidades competentes. Realizar-se-ão, em breve, também em colaboração com a DRAPAL e com os Municípios envolvidos, algumas ações, junto dos agricultores, destinadas à sensibilização para a temática da proteção do património arqueológico, em especial no Baixo Alentejo, em áreas onde se prevê uma maior expansão da agricultura intensiva.

[ voltar ]

 

 

ADECORRER




EMAGENDA

<janeiro de 2018>
domsegterquaquisexsáb
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se