ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castelo da Amieira do Tejo

Jangada de São Torpes

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo de Belver

Miróbriga

Villa Romana de Torre de Palma

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Brincas de Évora

Sé de Évora

Castelo de Arraiolos

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Villa Romana de Torre de Palma

Sé de Évora

Viola Campaniça

Castelo de Santiago do Cacém

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo de Viana do Alentejo

Bonecos de São Bento do Cortiço

Gruta do escoural

Castelo da Amieira do Tejo

Villa Romana de S. Cucufate

cavalo pintado

Castro da Cola (Ourique)

Castelo de Evoramonte

Templo romano de Évora

Évoramonte

Castelo de Viana do Alentejo

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

 

Miróbriga

Sé de Évora

Destaques
Imprimir documento


A Arca de Não é, de Miguel Jaques - Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
09-04-2019
A Arca de Não é, de Miguel Jaques - Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

No próximo dia 13 de abril, pelas 16 horas, terão lugar no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, a inauguração da exposição e apresentação do livro 'A Arca de Não É', de Miguel Jaques, por Carlos Mota de Oliveira, com leitura de Rodrigo Queirós.

A exposição ficará patente até dia 19 de maio, de terça-feira a domingo das 10h00 às 18h00 (horário de verão). O Museu encerra à segunda-feira.

A iniciativa é organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo - Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo.


Contextualização:


Espremida numa semana de janeiro de 2018, A Arca de Não É é a gelatina poética de um porquinho trabalhador-estudante.

Corriam, então, os dias mais frios do ano, e as mãos à volta do porquinho - algumas calosas e perfumadas, outras suaves e afiadas - ora lhe massajavam o lombo, ora lhe esmurravam o cachaço; ora lhe acariciavam o focinho, ora lhe puxavam o rabo e as pernas. Vendo-se encurralado naquela pocilga de pessoas e de invernos, decidiu escrever um livro. 'Uma espécie de testamento', pensou; 'deve ser fácil', pensou. E, sem nunca ter escrito ou pensado muito em poesia, começou a escrever e a desenhar poemas. Nos autocarros, nos escritórios, e nas salas de granito cheias de aranhas, o leitão bulia e fervia em segredo.

Por fim, reunindo as folhas de gelatina poética, montou um livro. Com o livro, fez-se uma exposição. No dia da inauguração, reencontrou uma fazendeira formosa que - com apenas vinte beijos mágicos - o transformou num belo ator de novela.


Sobre o autor:


Miguel Jaques nasceu numa noite estrelada, num barranco em Trás-os-Montes. Cresceu numa tarde escaldante, num monte no Alentejo.
Estudou Design em Évora e Hannover, e Artes-Plásticas no Porto.
É amigo dos ribeiros, dos animais, das Artes, e de toda a gente boa.

Vive no Porto.

Mais informação

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

T. (+351) 266 730 480
E-mail: mevora.secretariado@cultura-alentejo.pt

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Visitas ao Património - Alentejo - 2018/2019



EMAGENDA

<junho de 2019>
domsegterquaquisexsáb
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se