ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Miróbriga

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Villa Romana de Torre de Palma

 

Estamos ON | Site culturacovid19

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Sé de Évora

Castelo de Viana do Alentejo

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Santiago do Cacém

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo de Evoramonte

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Templo romano de Évora

Jangada de São Torpes

Gruta do escoural

Castelo de Arraiolos

Castelo de Belver

Castelo da Amieira do Tejo

Villa Romana de Torre de Palma

Brincas de Évora

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Castelo de Viana do Alentejo

Sé de Évora

cavalo pintado

Miróbriga

Castelo da Amieira do Tejo

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Évoramonte

Sé de Évora

Viola Campaniça

Villa Romana de S. Cucufate

Bonecos de São Bento do Cortiço

Villa Romana de S. Cucufate

Castro da Cola (Ourique)

Destaques
Imprimir documento


"Personas" - Exposição de retrato encenado, de José Miguel Soares
06-05-2019
"Personas" - Exposição de retrato encenado, de José Miguel Soares

A inauguração da exposição de retrato encenado "Personas", com fotografias da autoria de José Miguel Soares, terá lugar no próximo dia 9 e maio, pelas 18 horas, no Palácio Cadaval, em Évora. Esta é uma produção da Malvada - Assciação Artística em coprodução com a Câmara Municipal de Évora.

PERSONAS
de ANA LUENA e JOSÉ MIGUEL SOARES

Em Personas assume-se a tentativa de explorar o que mais aproxima o teatro do retrato e que encontramos em reflexões sobre as suas mais variadas características e definições. Foram realizadas sessões fotográficas com os participantes, exercício que esteve na base do trabalho de construção do espectáculo e que resulta em imagens que integram a exposição fotográfica. O teatro e o retrato partilham um lugar-comum, um mesmo tempo, o de olhar e de ser olhado de volta. Convocam, apelam, questionam e expõem o que haveria de ser silenciado. Somos desassossegados, inquietados por esse outro que também nos pertence e onde nos revelamos. Aqui também se explora no jogo cénico a relação triangular entre o retratado (com o que tem de personagem e o que tem de intérprete), o retratista (encenador e fotógrafo) e o espectador. O retrato ganha vida própria, é presença na ausência de alguém, permanece suspenso, salva da morte. O espetáculo é efémero, depois será ruína na memória do espectador e de todos. É a morte todos os dias, a cada instante.

Exposição

Inauguração dia 9 de maio, às 18h
10 a 26 de maio, das 11h00 às 14h00 e das 15h00 às 18h00
Palácio Cadaval
Entrada livre

Direção artística: José Miguel Soares (conceito e fotografia) e Ana Luena (texto e encenação)
Maquilhagem e cabelos: Chissangue Afonso
Participantes no laboratório de criação cénica: Ana Asper, Ana Cristina Pais, Ana Sampaio, Beatriz Tadeu, Isabel Ramos, Joana Carrasqueira, Lúcia Caroço, Nayamara Bomfim (interpretação) e Ana Paula Mendes, Dulce Damas, Pedro Miguel Rosado (assistência de encenação e de produção); outros participantes Carolina Amaral, Nádia Yracema, Mariana Magalhães, Matilde Magalhães, Susana Sá
Coprodução: Câmara Municipal de Évora
Criação e produção: Malvada Associação Artística [ 2019 ]

O material para a exposição fotográfica de retratos encenados produziu-se ao longo de vários meses, através da experiência partilhada por mulheres vítimas de violência, jovens raparigas residentes em Centros de Acolhimento, participantes da comunidade do Laboratório de Criação Cénica e as atrizes profissionais do espetáculo Bonecas.
Usando uma metodologia que cruza exercícios de improvisação, construção de personagens e jogos de role play com a fotografia de retrato trabalhou-se as possibilidades de reconstrução identitária e inversão de papéis que o teatro e a fotografia oferecem.
Na exposição Personas apresentada no Palácio Cadaval, o retrato surge como uma criação de um outro onde também posso ser eu, utilizando o efeito de distanciação para falar de mim e do outro.
Este processo resulta na criação de imagens fotográficas encenadas sobre identidade e dualidade, onde se mistura deliberadamente realidade com ficção, décor e ausência, cara e máscara, onde se constrói e se capta os diferentes momentos da relação ambígua entre intérprete e personagem, entre mim e o outro. Neste processo esconde-se o rosto deliberadamente e revela-se através do olhar do fotógrafo a inquietação, o que deveria permanecer oculto, o interior de cada retratado.
Um duplo espelho. É a morte em cada disparo, o som que une naquele momento o fotógrafo e o retratado.

Apoios: Palácio Cadaval, Casa Morgado do Esporão, Convento do Espinheiro, Círculo Eborense, Direção Regional de Cultura do Alentejo, Fundação GDA, TNSJ, São Luiz Teatro Municipal de Lisboa, Departamento de Artes Cénicas da Escola de Artes da Universidade de Évora, A Bruxa Teatro, Associação Chão dos Meninos, Associação Ser Mulher, Departamento de Comunicação da UE, Queijaria Cachopas, AAUE, O Combinado Restaurante, Dourado Distribuição. 

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Estamos ON | Site culturacovid19



EMAGENDA

<maio de 2020>
domsegterquaquisexsáb
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se