ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Villa Romana de Torre de Palma

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Castelo de Viana do Alentejo

Castelo de Santiago do Cacém

Viola Campaniça

cavalo pintado

Estamos ON | Site culturacovid19

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Miróbriga

Castelo de Evoramonte

Castelo de Arraiolos

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Jangada de São Torpes

Sé de Évora

Villa Romana de Torre de Palma

 

Sé de Évora

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Villa Romana de S. Cucufate

Miróbriga

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo da Amieira do Tejo

Castro da Cola (Ourique)

Castelo da Amieira do Tejo

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Gruta do escoural

Évoramonte

Sé de Évora

Templo romano de Évora

Brincas de Évora

Castelo de Viana do Alentejo

Castelo de Belver

Bonecos de São Bento do Cortiço

Destaques
Imprimir documento


XVIII Ciclo de Concertos "A Quaresma na Escola de Música da Sé de Évora"
27/08/2020
XVIII Ciclo de Concertos "A Quaresma na Escola de Música da Sé de Évora"

A Associação Eborae Musica promove nos dias 12,19 e 20 de setembro o XVIII Ciclo de Concertos "A Quaresma na Escola de Música da Sé de Évora", que estava previsto para o mês de março mas que, face à pandemia da Covid-19, teve de ser adiado.

Dedicado à polifonia da Escola de Música da Sé de Évora, criada para o período da Quaresma, o XVIII Ciclo de Concertos "A Quaresma na Escola de Música da Sé de Évora", promovido pela Associação Eborae Mvsica e previsto para o mês de março foi adiado, face à pandemia da Covid-19.

Será realizado nos próximos dias 12, 19 e 20 de setembro.


O programa integra os seguintes concertos:


Dia 12 de setembro -  18h00 - Coro Polifónico "Eborae Mvsica", direção de Eduardo Martins;
Dia 19 de setembro -  21h30 - Grupo Vocal "Os Cupertinos", direção de Luís Toscano;
Dia 20 de setembro - 18h00 - Officium Ensemble, direção de Pedro Teixeira.


Coro Polifónico "Eborae Mvsica" - Fez a sua primeira apresentação pública em setembro de 1987, incluído no acontecimento cultural "Os Povos e as Artes" o Coro Polifónico da Associação Musical de Évora - EBORAE MVSICA. Interpreta predominantemente a polifonia da Escola de Música da Sé de Évora (sécs. XVI e XVII) mas também outras obras de diferentes épocas, como exemplo, a Oratória "Jephte", de Carissimi, a "Missa da Coroação", de Mozart, o "Gloria", de Vivaldi, a Missa em Dó Maior, de Mozart, para Coro e Órgão, Missa em Sol M de Carlos Seixas, Missa em RéM op.86 de A.Dvorák. Atuou
em Kosice, Eslováquia, a convite do Coro da Universidade Técnica de Kosice; no XVI Festival Internacional "Encontro com a Polifonia" em Giarre, Sicília, Itália em 2001; na Dinamarca, em 2002, com o Coro de Roskilde, integrado na Rede MECINE e no 22.º Festival de Coros de Preveza e 10.º Concurso Internacional de Música Sacra de Preveza, Grécia (2004) e mais recentemente participu no Festival de Coro de Florença (Itália) onde obteve três prémios. O Coro Polifónico foi dirigido até outubro de 1991, pelo Dr. Adelino Santos. A partir de 91, e até 97, passou a contar com a regência do Maestro Francisco d'Orey;desde princípios de 97 e até maio de 2013 teve a direção do Maestro Pedro Teixeira. Atualmente é dirigido pelo Maestro Eduardo Martins.

Grupo Vocal "Os Cupertinos"
- Estabelecido em 2009 no seio da Fundação Cupertino de Miranda - Vila Nova de Famalicão, Portugal - com o propósito de recuperar, estudar e divulgar o vastíssimo e ainda largamente por desvelar património musical português dos séculos XVI e XVII, o grupo vocal Cupertinos, inicialmente intitulado Cappella Musical Cupertino de Miranda, tem-se afirmado como um verdadeiro embaixador da Polifonia Portuguesa. Com uma sólida perspetiva de longo prazo assente numa média anual de concertos próxima das duas dezenas desde a sua estreia, os Cupertinos mantêm uma cadência contínua de descoberta e apresentação pública de obras inéditas que ascende já a oitenta. Duas das suas características diferenciadoras são uma rede de parcerias com muitos dos principais monumentos de Portugal, que garante uma simbiose histórica e acústica entre o repertório e os locais dos concertos, bem como uma ligação privilegiada à Universidade de Coimbra, que alberga um dos mais ricos repositórios musicais do Renascimento em todo o Mundo. Numa abordagem performativa sem precedentes, através de um estudo exaustivo que permite um conhecimento cada vez mais profundo das obras, vários destes inéditos têm sido transcritos, a partir das fontes originais, com a participação ativa dos próprios membros dos Cupertinos sob a orientação do diretor do grupo, Luís Toscano, e do musicólogo José Abreu.

O Officium Ensemble tem-se estabelecido como um dos mais proeminentes grupos vocais portugueses dedicados à música antiga. O Officium Ensemble une uma sólida interpretação a uma reiterada investigação musicológica, recorrendo a impressos e manuscritos da época no sentido de oferecer performances historicamente informadas, para além de possibilitar ao público primeiras audições de várias obras em tempos modernos. O repertório que domina e no qual se especializou estende-se por todo o período do Renascimento e início do Barroco, dedicando-se com especial enfoque à música antiga portuguesa e especificamente à música da Sé de Évora, abarcando também as escolas franco-flamenga, espanhola e inglesa da Era Tudor. O ensemble tem atuado em inúmeros locais e festivais de música antiga, desde as Jornadas Internacionais Escola de Música da Sé de Évora e Festival Música em São Roque, passando pelos festivais Terras sem Sombra, Dias da Música (CCB), Festival de Órgão de Lisboa e Festival AMUZ Laus Polyphoniae em Antuérpia, entre outros. A formação base de doze cantores é maleável de acordo com o repertório, juntando mais cantores sempre que necessário. A manutenção de uma estética sonora e interpretativa de excelência é o axioma que rege todo o trabalho do Officium Ensemble, na ambição incessante pela qualidade como veículo de homenagem a um dos mais ricos períodos da história da música ocidental

Este ciclo de concertos é organizado pela Eborae Mvsica - Associação Musical de Évora, entidade financiada pelo Ministério da Cultura-DGArtes, com o apoio da Câmara Municipal de Évora, Diário do Sul, Rádio Diana, Antena2, A Defesa, Registo.

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Estamos ON | Site culturacovid19



EMAGENDA

<setembro de 2020>
domsegterquaquisexsáb
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se