ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

cavalo pintado

Castelo de Belver

Bonecos de São Bento do Cortiço

Viola Campaniça

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Sé de Évora

Castelo da Amieira do Tejo

Brincas de Évora

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Miróbriga

Castelo de Santiago do Cacém

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo de Viana do Alentejo

Villa Romana de Torre de Palma

Estamos ON | Site culturacovid19

Castelo de Arraiolos

Évoramonte

Castelo de Evoramonte

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Jangada de São Torpes

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Villa Romana de S. Cucufate

 

Miróbriga

Templo romano de Évora

Sé de Évora

Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Castelo da Amieira do Tejo

Gruta do escoural

Castelo de Viana do Alentejo

Destaques
Imprimir documento


Malvada estreia e apresenta tríptico de performances VAGAR - FESTA - SONO
16/11/2021
Malvada estreia e apresenta tríptico de performances VAGAR - FESTA - SONO

A Malvada Associação Artística estreia e apresenta as performances 'Vagar', 'Festa' e 'Sono' com encenação de Ana Luena, na Antiga Escola Primária dos Canaviais,em Évora, de 17 novembro a 3 dezembro.

As performances terão também sessões dirigidas a grupos em horários a combinar com as escolas e instituições.

O tríptico de performances VAGAR - FESTA - SONO, no âmbito de 'Skholé', ciclo de contemplação e criação artística sobre o ócio, com criação e direção de Ana Luena e José Miguel Soares, apresenta-se naquele espaço, tornado polo de criação, entre outubro de 2021 e janeiro de 2022.

PERFORMANCES SKHOLÉ
VAGAR, 17, 18 e 19 de NOV, 19h30
FESTA, 24, 25 e 26 NOV, 19h30
SONO, 1, 2 e 3 DEZ, 19h30

Este tríptico é apresentado em três momentos distintos, que podem ser vistos de forma independente ou sequencial (ou até num mesmo momento de apresentação). A escrita e encenação procuraram estas possibilidades, permitindo que o espectador assista a apenas uma das partes, ou que tenha uma experiência mais ampla e relacional quando assiste a duas ou três. Há continuidades, parecenças e réplicas.


A estreia acontece na cantina da Antiga Escola Primária dos Canaviais, transformada para o efeito numa pequena blackbox, espaço flexível que permite uma relação estreita com o público. O tríptico foi pensado para maiores de 6 anos, podendo abranger público escolar, familiar ou sénior.






1.ª
VAGAR

17, 18 e 19 de NOV, 19h30






«- Quanto tempo temos? Quanto tempo nos falta?
- Temos todo o tempo do mundo enquanto estivermos aqui nesta demora. A ser silêncio. Uma demora no silêncio.»

 




2.ª
FESTA

24, 25 e 26 NOV, 19h30





«- Celebremos a vida?!
- Celebremos o dia de hoje! Com os olhos no futuro.
- Com os olhos do futuro!
- Com os olhos na mudança. Eu sei que alguma coisa vai mudar.
- Pressinto que...
- ...já está a mudar! »







SONO

1, 2 e 3 DEZ, 19h30





«Ando pela casa de olhos cerrados como um sonâmbulo que aceita tudo de mão aberta. A vida não pode ser só isto. Este cansaço. Esta sensação de que há sempre alguma coisa urgente por fazer. Uma aceleração. Vivemos numa aceleração sem tempo.»


reserva bilhetes:
maa.comunicacao@gmail.com
912490351


'Skholé' é a palavra grega que designa ócio, lazer e contemplação, e que originou a palavra portuguesa escola. Com criação e direção artística de Ana Luena e José Miguel Soares, 'Skholé' ocupa a Antiga Escola Primária dos Canaviais num processo de cruzamento disciplinar que recupera a ideia de ócio como tempo necessário ao desenvolvimento da reflexão, imprescindível a uma existência ética e feliz. Na contemporaneidade, essa relação inverteu-se totalmente: o ócio é visto como tempo de recuperação subordinado ao trabalho, ou como sinónimo de desocupação e inutilidade. O pensamento já não dita o tempo, é o tempo que dita o pensamento.


No processo de discernir o que foi e é o ócio, de mapear a forma como vem sendo sucessivamente reconfigurado em ciclos de perda e reivindicação, chegámos a três vértices agora apresentados em formato performativo: VAGAR - FESTA - SONO. Interessa-nos o campo aberto por um tempo julgado inútil e dilatado (o que contém de fruição, de jogo, de aprendizagem não-linear...), a hiperatividade e a inibição de festejar (o esvaziar de um calendário comum que estabiliza a vida), a coação para a produção e o consumo (que ocupam, mas não saciam), e também a ideia de que dormir pode ser um ato de resistência, seja por interromper o fluxo de hiperestimulação, seja por abrir portas ao sonho, à visão alterada, a outros possíveis.



Ficha Técnica

Direção e criação ANA LUENA e JOSÉ MIGUEL SOARES
Texto cénico, encenação e figurinos ANA LUENA
Música e interpretação ZÉ PEPS
Interpretação CHISSANGUE AFONSO, LÚCIA CAROÇO [FESTA e SONO], MATILDE MAGALHÃES [VAGAR e FESTA], TOMÁS GOMES [VAGAR]
Consultoria e assistência CONSTANÇA CARVALHO HOMEM
Apoio ao movimento MÁRCIO PEREIRA
Apoio de voz INÊS PEREIRA
Assistentes de produção e comunicação BEATRIZ OURIQUE  e RITA HENRIQUES
Design JOANA AREAL


São utilizados excertos da Apologia do Ócio de Robert Louis Stevenson, de O Direito à Preguiça, de Paul Lafargue, e do Diálogo na Sombra, de Fernando Pessoa, no texto cénico de VAGAR.


Produção MALVADA ASSOCIAÇÃO ARTÍSTICA
Protocolos ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA, ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO DISTRITO DE ÉVORA, SINDICATO DEMOCRÁTICO DOS PROFESSORES DO SUL, UNIVERSIDADE DE ÉVORA
Apoio DIREÇÃO REGIONAL DE CULTURA DO ALENTEJO, JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS, CITY CONVENIENCE, MONTE DAS COBRAS
Cofinanciamento ALENTEJO 2020, PORTUGAL 2020 e FUNDO SOCIAL EUROPEU | UNIÃO EUROPEIA
Coprodução CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA
Parceiro Institucional GARANTIR CULTURA REPÚBLICA PORTUGUESA - MINISTÉRIO DA CULTURA
M/6
Dur. 30' (cada performance)


A MALVADA ASSOCIAÇÃO ARTÍSTICA
José Miguel Soares, fotógrafo, psicólogo, residiu em Lisboa e em Roma onde trabalhou em fotografia e comunicação mais de uma década, e Ana Luena, dramaturga, encenadora, figurinista e cenógrafa, cofundadora e directora do Teatro Bruto durante 20 anos (Porto), conheceram-se em Évora onde fundaram a Malvada em 2018, numa aposta num território de baixa densidade populacional como plataforma de criação e reflexão artística contemporânea. Têm desenvolvido um projeto de cruzamento disciplinar, entre a fotografia e o teatro, dinamizando a cidade e a freguesia onde residem e alimentando a sua relação com outros pontos do País. A par de criações como 'Revela-me', o primeiro projeto da Malvada com o Apoio à Criação da Direção Geral das Artes (2020), a Malvada desenvolve em continuidade o seu projeto de serviço educativo, com  laboratórios e oficinas de formação abertos à comunidade e realiza projetos de criação e inclusão social, tendo sempre como fim a realização e apresentação de objetos artísticos de cruzamento disciplinar. A Malvada ocupa uma sala na Antiga Escola Primária dos Canaviais onde desenvolve um trabalho continuado com a sua equipa nuclear de produção, organiza as suas residências de criação e promove atividades artísticas e de inclusão com a comunidade. 'Skholé' é um projeto de criação artística que se apresenta integralmente neste bairro periférico da cidade de Évora, e resulta de uma candidatura ao Programa Garantir Cultura, um apoio que visa a mitigação dos impactos da crise pandémica no setor cultural e um estímulo à gradual retoma da sua atividade.

 

 

 

 

 

 

 

 

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Alentejo, PATRIMÓNIOS - 2.ª ediçãoEstá aberta a 3ª edição do Prémio Literário Joaquim MestreApoio à Atividade Cultural e aos Agentes Culturais do Alentejo 2021Estamos ON | Site culturacovid19



EMAGENDA

<dezembro de 2021>
domsegterquaquisexsáb
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se