ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castelo de Santiago do Cacém

Castelo da Amieira do Tejo

cultura_estatuto_profissionais22

Viola Campaniça

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Évoramonte

Villa Romana de S. Cucufate

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Templo romano de Évora

Castelo de Belver

Villa Romana de Torre de Palma

Jangada de São Torpes

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Miróbriga

Estamos ON | Site culturacovid19

Sé de Évora

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

 

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Brincas de Évora

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo de Viana do Alentejo

Miróbriga

Castelo da Amieira do Tejo

Castelo de Arraiolos

cavalo pintado

Castelo de Evoramonte

Gruta do escoural

Villa Romana de S. Cucufate

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

Sé de Évora

Bonecos de São Bento do Cortiço

Villa Romana de Torre de Palma

Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Destaques
Imprimir documento


Documentário "Malagueira" estreia esta terça-feira em Évora
10/01/2022
Documentário "Malagueira" estreia esta terça-feira em Évora

Os arquitetos Álvaro Siza Vieira e Nuno Ribeiro Lopes, o ex-presidente da Câmara de Évora, Abílio Dias Fernandes, e dezenas de moradores do Bairro da Malagueira são protagonistas do documentário "Malagueira", realizado por Luís Godinho, cuja estreia está agendada para a próxima terça-feira, dia 11 de janeiro, às 18h00, no Auditório Soror Mariana, em Évora.

"A Malagueira é um projeto único, no qual a componente arquitetónica surge enquadrada por pressupostos ideológicos. O desenho das casas e dos espaços comuns, isto é, a conceção do próprio bairro, envolveu a participação dos futuros moradores, chamados a opinar sobre questões como a dimensão das janelas ou a altura dos muros. Foi um projeto participado onde rapidamente se passou da discussão sobre a tipologia das casas para o conceito de cidade. E foi também um projeto inclusivo, na medida em que Álvaro Siza Vieira conseguiu evitar a criação de 'guetos' numa área com 1200 habitações, integrando a iniciativa privada com a construção social e cooperativa", diz o realizador do documentário.

"Mais do que a história do bairro, procurei refletir sobre as suas vivências atuais, indo ao encontro de quem o habita e reunindo um conjunto de depoimentos de moradores, alguns recém chegados, outros que se intitulam de 'pioneiros', por terem sido os primeiros a instalarem-se", acrescenta Luís Godinho, sublinhando que a estreia do documentário marca o início das comemorações dos 45 anos da Malagueira, porventura o projeto "mais icónico" de Siza Vieira.

"Houve a oportunidade de, simultaneamente, estudar o plano e a tipologia [das casas]", recorda o arquiteto, que se deslocou a Évora, pela primeira vez, a 18 de março de 1977 para conhecer o local onde o projeto seria implementado. As obras prolongaram-se por duas décadas, embora o bairro continue inacabado uma vez que alguns dos equipamentos coletivos, como a semicúpula, que deveria marcar a centralidade deste território, não chegaram a ser construídos.

"A Câmara de Évora, naquela altura, tomou a liderança urbanística a nível nacional com várias ações. Uma delas foi a Malagueira. Outra foi a elaboração de um primeiro Plano Diretor Municipal, que era uma coisa que legalmente não existia. Aliás, foi feito e só seis anos depois é que entrou em vigor, quando a lei surgiu. Foi também o combate aos loteamentos clandestinos e a classificação [do centro histórico] como Património Mundial. Foram quatro 'linhas de combate' que modificaram completamente a face de Évora", diz o arquiteto Nuno Ribeiro Lopes que, à época, colaborava com Siza Vieira, e foi encarregado de, no terreno, acompanhar o desenvolvimento do projeto.

"Onde é que a Malagueira entrava neste processo? Por um lado, pela valorização do centro histórico. Por outro, como alternativa aos loteamentos clandestinos. Era um loteamento planeado, e a visão que o Siza tinha era prolongar a qualidade do centro histórico. A Malagueira inseriu-se nesta lógica, não de combate ao centro histórico, mas de continuidade... uma oposição aos loteamentos clandestinos", acrescenta Nuno Ribeiro Lopes.

Tanto o documentário com uma página de internet dedicada ao bairro (www.malagueira.pt) resultam de uma iniciativa conjunta da ALD Produções e da Associação Setespinhas, cofinanciada pelo Ministério da Cultura, através do programa Garantir Cultura, e apoiada pela Câmara Municipal de Évora e pela Associação de Moradores Malagueira Viva e Vivida. A direção de fotografia é de Bruno Lino Vassalo. A produção executiva é de Ana Luísa Delgado. Jornalista e realizador, Luís Godinho é autor de diversos documentários, entre os quais "O Salto" (2017), premiado no Farcume - Festival de Curtas Metragens de Faro, "Aldeia Eterna" (2016), estreado no Colóquio Internacional "Escrever e Pensar ou o Apelo Invencível da Arte", em Gouveia, que assinalou o centenário do nascimento do escritor Vergílio Ferreira, ou "Cartas" (2019), produzido por ocasião dos 350 anos da publicação de "Cartas Portuguesas".

 

MALAGUEIRA

Sinopse

O Bairro da Malagueira surgiu do repto lançado pela Câmara de Évora ao arquitecto Álvaro Siza Vieira no final da década de 70. Localizado nas proximidades do centro histórico da cidade, conta com 1200 habitações e ocupa uma área de 27 hectares. As obras iniciaram-se em 1977 e prolongaram-se durante 20 anos. É considerado um dos projetos mais emblemáticos de Álvaro Siza Vieira (Prémio Pritzker 1992), ainda que permaneça inacabado. Documentário de 50 minutos, Malagueira conduz-nos numa viagem pela história do bairro e por quem hoje o habita.
 
Ficha Técnica

MALAGUEIRA
| realização Luís Godinho | direção de fotografia Bruno Lino Vassalo | produção executiva Ana Luísa Delgado | segundo câmara Gonçalo Figueiredo | som Ângelo da Silva Vassalo | jornalista Margarida Maneta | colaboração Armando Silva | participação especial Abílio Dias Fernandes, Álvaro Siza Vieira, Nuno Ribeiro Lopes | música Miguel Oliveira | janeiro 2021

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Estatuto dos Profissionais da Área da CulturaANTROPOCÉNICA - Propostas para apresentação de comunicaçõesJorge Colaço e a Azulejaria Figurativa do seu TempoApoio à Atividade Cultural e aos Agentes Culturais do Alentejo 2021Estamos ON | Site culturacovid19



EMAGENDA

<janeiro de 2022>
domsegterquaquisexsáb
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se