ESTÁ AQUI: INÍCIO | DRCALENTEJO | Edifício
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Estamos ON | Site culturacovid19

Sé de Évora

Castelo de Viana do Alentejo

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo de Evoramonte

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Évoramonte

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

cavalo pintado

Castelo de Arraiolos

Miróbriga

Jangada de São Torpes

 

Bonecos de São Bento do Cortiço

Brincas de Évora

Templo romano de Évora

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Castro da Cola (Ourique)

Villa Romana de Torre de Palma

Sé de Évora

Gruta do escoural

Viola Campaniça

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Belver

Villa Romana de Torre de Palma

Miróbriga

Castelo da Amieira do Tejo

Castelo de Santiago do Cacém

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo de Viana do Alentejo

Castelo da Amieira do Tejo

Villa Romana de S. Cucufate

Sé de Évora

Edifício
Imprimir documento


A Direcção Regional da Cultura do Alentejo encontra-se instalada no centro histórico de Évora, no quarteirão definido pelas ruas de Burgos e da Alcárcova de Cima. O edifício – Casa Nobre da Rua de Burgos – de grande valor histórico e artístico, é propriedade do Estado Português.Edifício Direcção Regional da Cultura do Alentejo

A Casa Nobre foi edificada no séc. XVI, por iniciativa de um fidalgo cujo nome se ignora. É uma das várias que então se ergueram na cidade, em consequência da instalação de diversas famílias da corte de D. Manuel. Sabe-se, porém, que a casa era, nos finais do séc. XVIII, propriedade do cónego secretário capitular da Sé, José Joaquim Nunes de Melo (1740-1820).

No séc. XIX, o Conselheiro José Carlos de Gouveia tornou-se proprietário da Casa Nobre, nela residindo os seus descendentes até que em finais do séc. XX a casa foi vendida, para nela instalar serviços públicos, dando-se início a uma profunda renovação do edifício.
No âmbito da renovação do edifício foram encontradas pré-existências da época romana, incluindo uma domus, mais tarde reaproveitada como embasamento da Cerca Velha e ainda vestígios da ocupação islâmica da cidade e da época medieval portuguesa.

O actual edifício incorporou um torreão da chamada cerca velha, já desactivada na época, apresentando na ala mais antiga – actual Galeria de Exposições – elementos característicos do tardeo-gótico mudéjar: abóbadas estreladas, janelas de ajimez, arcos de ferradura.
 
No séc. XVIII, o edifício assume a fisionomia com que chega aos nossos dias. A fachada principal passa a correr pela Rua de Burgos e a Casa Nobre vira decisivamente o seu alçado principal para o exterior. O segundo piso é assumido como andar nobre, o que é visível pelo alinhamento e decoração das respectivas janelas.

No final do séc. XIX, evidenciam-se grandes obras de beneficiação e decoração, introduzindo-se diversos elementos do entretanto demolido Convento do Paraíso: os azulejos, de tipo tapete, da escadaria, que datam do séc. XVII, diversas portas almofadadas e tectos interiores em madeira de carvalho trabalhada; altura em que é também rasgado o portão de acesso na sua forma actual.
 
A intervenção arquitectónica mais recente, de autoria do arquitecto eborense José Filipe Ramalho, procurou reabilitar o edifício, adaptando-o aos novos usos no respeito pela integridade do legado arquitectónico.

ADECORRER

Estamos ON | Site culturacovid19



EMAGENDA

<outubro de 2020>
domsegterquaquisexsáb
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se