ESTÁ AQUI: INÍCIO | Iniciativas Anteriores
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Villa Romana de Torre de Palma

cavalo pintado

Sé de Évora

Castelo de Santiago do Cacém

Sé de Évora

Bonecos de São Bento do Cortiço

Évoramonte

Villa Romana de S. Cucufate

Sé de Évora

Gruta do escoural

Castelo de Viana do Alentejo

Villa Romana de S. Cucufate

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo da Amieira do Tejo

Viola Campaniça

Castro da Cola (Ourique)

 

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Miróbriga

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Jangada de São Torpes

Miróbriga

Castelo de Arraiolos

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Castelo de Evoramonte

Templo romano de Évora

Brincas de Évora

Villa Romana de Torre de Palma

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

Castelo de Belver

Castelo da Amieira do Tejo

Iniciativas Anteriores
Imprimir documento


RECITAL DE HARPA POR SILKE AICHHORN

16 de julho - Évora, Mosteiro de São Bento de Cástris


No passado domingo,16 de julho, pelas 17h30, o Mosteiro de S. Bento de Cástris, em Évora, recebeu   um Recital de Harpa por Silke Aichhorn. O concerto desta conceituada harpista alemã, no âmbito do XXV CisterMúsica - Festival de Música de Alcobaça, contou com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo e da Câmara Municipal de Évora.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O  concerto, integrado no Artes à Rua - Festival de Artes Públicas, a decorrer em Évora, encheu a Igreja do Mosteiro, contemplando peças de consagrados compositores como Händel, Tschaikowsky, Tournier, Grandjany.

Silke Aichhorn é uma das mais requisitadas harpistas europeias, atuando tanto como solista como em grupos de câmara, onde adquiriu vasto repertório e experiência, e marca presença em muitos festivais internacionais de música e como solista em orquestras. Público e crítica têm aclamado amplamente os seus concertos - sendo considerada uma das poucas e bem sucedidas harpistas a apresentar a harpa como instrumento a solo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aichhorn iniciou-se no estudo da harpa com Ursula Lentrodt, tendo estudado com Chantal Mathieu no Conservatório de Lausanne, Suíça, onde recebeu o primeiro prémio, e também na Hochschule de Colónia, Alemanha. Além disso, tem ganho inúmeras distinções culturais e prémios em competições internacionais.

APRESENTAÇÃO PÚBLICA DA PRIMEIRA FASE DO PROJETO DE VALORIZAÇÃO DO MUSEU REGIONAL RAINHA D. LEONOR, DE BEJA

17 DE JUNHO - BEJA

Em cerimónia presidida pelo Senhor Ministro da Cultura, Dr. Luís Filipe de Castro Mendes, foi apresentado ao público, no passado dia 17 de junho, o resultado de um programa de trabalho realizado em 2016/2017 e que se pretende que constitua a primeira etapa do plano de requalificação e valorização do Museu Regional de Beja.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para o efeito, foram selecionadas três peças extraordinárias e representativas do importante acervo do Museu, designadamente, uma escultura romana do século I e duas pinturas portuguesa dos séculos XV/XVI, Ecce Homo, e XVI, Apresentação da Virgem no Templo, que foram objeto de um criterioso processo de investigação e tratamento que permitiu aprofundar o conhecimento destas obras e descobrir novos dados sobre a sua história.”

Este programa foi desenvolvido no âmbito do acordo de colaboração firmado entre a Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, entidade que tutela o Museu, a Direção Regional de Cultura do Alentejo, o Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Património, da Universidade de Coimbra e o Laboratório HERCULES, da Universidade de Évora. E foi possível graças ao apoio mecenático que mereceu da Fundação Millenium bcp.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Senhor Ministro da Cultura vistou também o Fórum Romano de Beja, descoberto pela equipa de arqueólogos liderada por Maria da Conceição Lopes, do Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e do Porto.


O TAPETE ESTÁ NA RUA - ÉVORA ANTECIPOU EVENTO EM ARRAIOLOS

2 e 3 de junho - Largo Conde de Vila Flor

Nos dias 2 e 3 de junho, O Tapete está na Rua, em Évora, antecipou o evento 'O Tapete está na Rua - 2017', em Arraiolos de 9 a 18 de junho.

O Largo Conde de Vila Flor foi coberto por um Tapete de Arraiolos com 120 m2 e o Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo (antigo Museu de Évora), recebeu a conferência sob o tema "Tapete de Arraiolos Passado e Futuro - contributos de Uma Investigação", pela Professora Cristina Dias.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Seguiram-se a apresentação do programa de O Tapete está na Rua, edição de 2017, pela Presidente da Câmara Municipal de Arraiolos Sílvia Pinto e duas interpretações de F. Carulli, pelo dueto Francisco Gomes (guitarra) e José Morais (violino).

 

 

 

 

 

 

 A iniciativa foi organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e Câmara Municipal de Arraiolos, com o apoio do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo (antigo Museu de Évora), Universidade de Évora - Centro HERCULES e Escola de Artes/Departamento de Música e Vinhos do Alentejo

 

 

 

 

 

 

PROGRAMA SENSIBILIZAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CELEBROU DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

18 de maio - Museu da Luz

No âmbito da 6.ª edição do Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial, organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, e das comemorações do Dia Internacional dos Museus, 18 de maio, o Museu da Luz recebeu a oficina 'Danças do Alentejo, dirigida a alunos do 4.º ano do Ensino Básico e Integrado do concelho de Mourão.

A iniciativa, realizada em colaboração com o Museu da Luz - EDIA, em parceria com a Escola Básica e Integrada do concelho de Mourão e contando com o apoio do Município de Mourão, teve início às 14h, com um a visita guiada ao Museu, seguindo-se a oficina 'Danças do Alentejo', pela PédeXumbo - Associação para a Promoção da Música e da Dança.

 

7.º ENCONTRO - 10 VISÕES SOBRE O PATRIMÓNIO CULTURAL - 'CONSERVAÇÃO E RESTAURO'

11 de maio - Évora - Galeria da Casa de Burgos - DRCAlentejo

 
Sob o tema 'Conservação e Restauro' realizou-se, no passado dia 11 de maio, com início às 15 horas, o 7.ª encontro da iniciativa "10 Visões Sobre o Património Cultural", sob o tema 'Conservação e Restauro'.

Após a sessão de abertura e de boas vindas, em torno do património Cultural, pela Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Dra. Ana Paula Amendoeira, a iniciativa contou com a participação de António Candeias (Laboratório HERCULES - Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda),
que abordou o tema "Conhecer para Conservar: Conservar para Conhecer" e Susana Coelho e Débora Fortunato (Câmara Municipal de Évora), cuja comunicação incidiu nas "Arcadas do Centro Histórico de Évora - Conservação e Restauro de um Fresco".

Este encontro integra a iniciativa "10 Visões Sobre o Património Cultural" que consiste na  realização de 10 sessões sobre o património cultural da cidade de Évora que, reunindo  técnicos de variadas áreas, estudantes e público em geral, pretendem promover a sensibilidade cultural e artística sobre o património e a formação da comunidade e do público em idade escolar.

10 Visões sobre o Património Cultural, constitui-se como um conjunto de atividades culturais em torno da partilha de experiências e divulgação de conhecimentos sobre temáticas relacionadas com o património cultural.

Tendo uma duração de 10 meses, procura através de 10 temáticas, formas e maneiras de inter-relacionar-se, dinamizando por sua vez 10 espaços diferentes da cidade de Évora, integrando-se no âmbito das comemorações dos 30 anos da classificação de Évora como  Património da Humanidade.


Coordenação: Armando Quintas, Sheila Palomares Alarcón e Pietro Viscomi. CIDEHUS- Universidade de Évora.

Org.: CIDEHUS - Centro Interdisciplinar de História Culturas e Sociedades da Universidade de Évora, no âmbito das comemorações do 30.º Aniversário de Évora Património Mundial, com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo.

 


LANÇAMENTO DO LIVRO "D. FREI MANUEL DO CENÁCULO - ITINERÁRIOS POR SANTIAGO DO CACÉM"

9 de maio - Sítio Arqueológico de Miróbriga

No passado dia 9 de maio teve lugar no Sítio Arqueológico de Miróbriga o lançamento do livro "D. Frei Manuel do Cenáculo - Itinerários por Santiago do Cacém ",  editado pela União de Freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz, e São Bartolomeu da Serra em parceria com a Câmara Municipal de santiago do Cacém, Direção Regional de Cultura do Alentejo e Crédito Agrícola Costa Azul.

Um livro que retrata a vida e obra de uma das personalidades do iluminismo português, a quem se deve as primeiras escavações arqueológicas em Miróbriga e a reconstrução da Igreja Matriz de Santiago do Cacém após o terramoto de 1755.

 

PROGRAMA SENSIBILIZAÇÃO  PARA A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ASSINALOU COMEMORAÇÕES DO DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA COM OFICINA CORAL 'CRIANÇAS & FAMÍLIA'

7 de maio de 2017 - Viana do Alentejo

Dia  7 de maio, domingo, no âmbito do Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial 2017, organizado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, e em colaboração com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo, decorreram diversas iniciativas dirigidas à família, com o objetivo assinalar, em Viana do Alentejo, as comemorações do Dia Internacional da Família (15 de maio).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 A partir das 10h00 e ao longo do dia, houve oportunidade de se visitar o Castelo, onde se encontrava patente a exposição de Ilustração Infantil de Sandro Parreira, com atividades lúdicas.

Às 15 horas realizou-se, no Cineteatro Vianense, a Oficina Coral "Crianças & Famílias", com o Coral Atlântico Juvenil, de Sines, sob orientação do Maestro Fernando Malão.

Às 17 horas, dirigido ao público em geral e com entrada livre, realizou-se, também no Cineteatro Vianense, o Concerto pelo Coral Atlântico Juvenil  e participantes na Oficina Coral "Crianças & Famílias".


PROGRAMA SENSIBILIZAÇÃO  PARA A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CELEBROU O DIMS COM DOIS WORKSHOPS 'PAISAGENS DE BOLSO'

21 de abril de 2017 - Castelo de Portalegre

No âmbito do Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial 2017, organizado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, e para assinalar as Comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, no passado dia 21 de abril, tiveram lugar no Castelo de Portalegre, dois workshops 'Paisagens de Bolso', pelo Projecto Terra. Corpo, e duas visitas guiadas, dirigidas a turmas do 4.º ano do Ensino Básico, do concelho de Portalegre. A iniciativa contou com o apoio da Câmara Municipal de Portalegre.

Os monumentos históricos e a paisagem que os envolve são uma construção de vivências e o resultado de diferentes ocupações ao longo dos séculos, com grande riqueza cultural e social. No workshop 'Paisagens de Bolso', orientado por Ema Inácio, os alunos observaram e interpretaram o meio à sua volta, nas suas várias características particulares, e fizeram a respetiva representação em  maquetes. No final, a tua turma levou a  criação do monumento e as miniaturas que o compõem, dentro de uma caixa de madeira, enquanto jogo para continuar a brincar e a estudar na escola.

Poderá ser consultado aqui o respetivo folheto informativo.

O Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial, que conta já com a sua 6.ª edição, tem por objetivos a formação de públicos e a sensibilização da faixa etária infanto-juvenil para a importância da preservação e valorização do património cultural imóvel. Integra ações em diversas áreas artísticas, sempre que possível apresentadas em edifícios afetos à DRCAlentejo, associadas a datas comemorativas fundamentais para a cultura e para a cidadania, com o apoio de diversos Municípios da região e o envolvimento das escolas dos concelhos onde as ações têm lugar.

 

[O ARQUIVO COMO CIDADE]  EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA DE DUARTE BELO

De 30 de março a 3 de maio de 2017

Foi Inaugurada a 30 de março, na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, no contexto do Colóquio O ARQUIVO COMO CIDADE: História e Turismo na Cidade de Évora, organizado pela Universidade de Évora - CIDEHUS, em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Direção Regional de Cultura do Alentejo, Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Duarte Belo.



A exposição integrou 400 fotografias registadas por Duarte Belo, em diferentes locais e cidades, que retratam paisagens, edifícios e detalhes arquitetónicos.

No âmbito do encerramento da exposição [O Arquivo como Cidade] - Fotografias de Duarte Belo, dia 3 de maio, realizou-se na Galeria da Casa de Burgos, sede da DRCAlentejo, uma conversa com Duarte Belo, subordinada ao tema 'O que é ser um fotógrafo?'

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 A iniciativa foi organizada pela Universidade de Évora - CIDEHUS, em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia e Direção Regional de Cultura do Alentejo.

 

PROGRAMA SENSIBILIZAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 2017
Abertura da 6.ª edição - 24 de março

No passado dia 24 de março, a Direção Regional de Cultura do Alentejo abriu a 6.ª edição do Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial - 2017 com a apresentação do espetáculo "A Verdadeira História da Lebre e da Tartaruga", dirigido a alunos do 1.º ano do Ensino Básico, no Centro Interpretativo de Miróbriga (Santiago do Cacém), e na Igreja de N.ª Sr.ª de Aracaeli (Alcácer do Sal).

O espetáculo, que integrou as comemorações do Dia Mundial do Teatro (27 de março), é uma produção da Companhia do Teatro Bocage, de Lisboa, inspirada nas Fábulas de Esopo, e conta, através de uma comédia hilariante, a verdadeira história que levou à derrota da lebre, numa corrida que parecia já ganha.

 

                    Centro Interpretativo/ Sítio Arqueológico de Miróbriga


A iniciativa, que contou com  o apoio dos Municípios de Santiago do Cacém, e de Alcácer do Sal, bem como do Grupo Pestana - Pousada - Castelo de Alcácer do Sal, respetivamente, ofereceu ainda aos alunos participantes, uma visita guiada ao Sítio  Arqueológico de Miróbriga e  ao Castelo de Alcácer do  Sal.

                    Igreja de  N.ª Sr.ª de Aracaeli/Castelo/Cripta Arqueológica de Alcácer do Sal


O Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial tem por objetivos a formação de públicos e a sensibilização da faixa etária infanto-juvenil para a importância da preservação e valorização do património cultural imóvel, integrando ações em diversas áreas artísticas, sempre que possível apresentadas em edifícios afetos à DRCAlentejo, associadas a datas comemorativas fundamentais para a cultura e para a cidadania.


A presente edição decorrerá até ao próximo mês de outubro.

O Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial, é organizado pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio de diversos  Municípios da região  e o envolvimento das escolas dos concelhos onde as ações têm lugar.


EXPOSIÇÃO DE ILUSTRAÇÃO INFANTIL DE SANDRO PARREIRA

Castelo de Viana do Alentejo - 24 de março - 28 de maio de 2017


Foi inaugurada no passado dia 24 de março, pelas 18 horas, no Castelo de Viana do Alentejo, a exposição "A Vaquinha Violeta e o Coelho Malaquias e A Andorinha Filó e o Urso Serafim", de Sandro Parreira.

A exposição de ilustração infantil resulta de um projeto educativo iniciado em 2009 destinado a crianças do 1º ciclo. Baseado em duas histórias infantis de Teresa Varatojo, criadas, especialmente, para integrar propostas de dinamização de dois monumentos históricos, os Castelos de Viana do Alentejo e de Evoramonte, este projeto serviu de base para o trabalho de Sandro Parreira, formado em pintura pela Universidade de Évora. O projeto resultou na edição de dois livros com diversa informação histórica que contêm um jogo sobre, neste caso, o Castelo de Viana do Alentejo.

Recorde-se que esta exposição integra o ciclo anual que o Município promove em colaboração com a Junta de Freguesia Viana com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo. Uma parceria que, segundo Ana Cristina Pais, Técnica Superior da Direção Regional de Cultura do Alentejo, "é importante pois permite manter a gestão e atividade regular no Castelo de Viana do Alentejo".
Também o presidente da Câmara Municipal de Viana do Alentejo, Bengalinha Pinto, realçou a importância do ciclo de exposições que visa, na sua opinião, "valorizar os artistas do concelho e o seu trabalho, mas também promover os produtos endógenos dando-os a conhecer a todos aqueles que nos visitam".

 

'A CIDADE da PARTICIPAÇÃO - Processo de Reabilitação da Ilha da Bela Vista - Porto'

De 14 de fevereiro a 14 de março de 2017 - Galeria da Casa de Burgos

No passado dia 14 de fevereiro, pelas 18h30, teve lugar em Évora, na Galeria da Casa de Burgos, a abertura da exposição 'A Cidade da Participação - Processo de reabilitação da Ilha da Bela Vista - Porto' e o lançamento do livro 'A Cidade da Participação - Projecto de Arquitectura Básica Participada na Ilha da Bela Vista', por Fernando M. Rodrigues, André C. Fontes e  Manuel Carlos Silva (Lahb/CICS. Nova_UMinho/Imago).

 

Centrada na reabilitação da Ilha da Bela Vista, na cidade do Porto, a exposição pretende dar a conhecer o processo que esteve na origem da implementação do programa da Habitação Básica participada, por parte do Laboratório de Habitação Básica/Imago/CICS.Nova_Pólo UMINHO, numa parceria com a Associação de Moradores da Ilha da Bela Vista e Câmara Municipal do Porto, proprietária da Ilha.

A implementação deste programa teve como objetivo potenciar as vantagens da complexidade da Ilha da Bela Vista inscritas na sua morfologia, na sua escala, na sua tipologia e na sua integração no lote de rua.

A partir desta fase foi possível envolver e organizar a comunidade na procura de uma solução participada e interativa com a equipa do laboratório e poderes políticos.

O Laboratório foi instalado numa das casas da Ilha que servia de sede da Associação de Moradores, que durante dois anos consecutivos trabalhou em sintonia plena com a Associação e com os Moradores da Bela Vista.

Desde cedo, o espaço foi ganhando a sua centralidade, como lugar de trabalho e de convívio entre a equipa técnico-científica do Lahb/Imago/CICS.Nova_UM (arquitetos, antropólogos, sociólogos e assistentes sociais) e a comunidade que participava nas discussões e nos trabalhos que se foram desenvolvendo de acordo com as fases do projeto.

Em Évora, a exposição e o lançamento do livro são organizados pela DRCAlentejo, Câmara Municipal de Évora e Universidade de Évora.

 

TOUREGA - Património em meio rural

15 de dezembro 2016 - 30 janeiro 2017
Igreja do Salvador - Évora


Face a uma consciência generalizada de que o meio rural está em acelerada retração económica, social e demográfica, situação que ameaça particularmente o respetivo património cultural, a Direção Regional de Cultura do Alentejo, as populações locais (Valverde) através da Paróquia da Tourega, a União de Freguesias de Nossa Senhora da Tourega e Nossa Senhora de Guadalupe e a Câmara Municipal de Évora decidiram unir esforços e pôr em marcha um modesto projeto de valorização e divulgação das potencialidades do património rural.
A presente exposição resulta dessa iniciativa conjunta que, neste caso, incidiu na Tourega, antiga sede de paróquia a que hoje ainda dá nome, local de culto e de encontro social com origens remotas.

A exposição traz à cidade de Évora o testemunho da Tourega, com a presença de algumas das suas imagens, após o trabalho de conservação a que foram submetidas, lembrando-nos que são exemplares raros de uma cultura em vias de desaparecimento.

A organização é da Direção Regional de Cultura do Alentejo e Paróquia da Tourega, com o apoio e esforço desenvolvido por diversos parceiros, entre os quais a Arquidiocese de Évora, Universidade de Évora - Centro HERCULES, Câmara Municipal de Évora e União de Freguesias de Nossa Senhora da Tourega e Nossa Senhora de Guadalupe.




Após a inauguração seguiram-se a assinatura de protocolo entre as entidades parceiras e um apontamento musical de Cante Alentejano pelo Grupo de São Brás do Regedouro.


Património da Tourega

Igreja Matriz - Remonta ao século XV mas foi reformada no final do século XVI pelo Arcebispo de Évora (D.Teotónio de Bragança). Também do século XVI data o seu magnífico retábulo de talha, incluindo as respectivas tábuas pintadas.

Ruínas da Fonte Santa e da Ermida de Santa Comba -  Segundo a tradição, foi o local do martírio de São Jordão (o segundo Bispo de Évora) e das suas irmãs Santa Comba e Santa Inominata.

Ruínas da Villa Romana da Tourega - Conhecidas desde sempre e já citadas por André de Resende a propósito de uma lápide funerária que se conservava na Igreja da Tourega e que hoje faz parte o Museu de Évora. Foram objeto de escavações, nos anos 80 e 90, que puseram à vista parte das antigas termas que hoje se podem visitar.

 

Ministro da Cultura e Secretário de Estado da Cultura no Alentejo

6 e 7 de dezembro - 2016

No passado dia 6 de dezembro, o Ministro da Cultura e o Secretário de Estado da Cultura inauguram no Alentejo, uma série de visitas a Equipamentos e Agentes Culturais nas várias regiões do país.

Mais Cultura tem por missão a consolidação do papel da Cultura enquanto fator primordial ao desenvolvimento e coesão social, elemento agregador e integrador, definidor da afirmação de identidade e de sentido de comunidade.

Mais Cultura pretende empreender uma estratégia de proximidade, de diálogo, de partilha de conhecimento e de experiência entre todos os agentes ativos na construção das políticas culturais, fomentando um trabalho em rede entre a Administração Central do Estado, as Administrações Regionais e as Entidades e Agentes Culturais locais.

Mais Cultura vai ao encontro dos Lugares de Cultura do nosso país, valorizando a realidade patrimonial e artística de cada território e promovendo o processo de construção partilhada das políticas públicas. 


No Alentejo, a visita decorreu com a seguinte agenda:

Terça-feira, 6 de dezembro

Évora
09h00 - Receção na Direção Regional de Cultura do Alentejo
09h40 - Museu de Évora
10h25 - Fundação Eugénio de Almeida
11h20 - Laboratório HERCULES
12h15 - Biblioteca Pública de Évora
12h40 - Igreja de São Francisco de Évora
13h15 - Almoço com Instituições e Agentes Culturais no antigo refeitório no Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora
14h50 - Casa-Atelier João Cutileiro
15h10 - São Bento de Cástris (Ministro da Cultura) / Teatro Garcia de Resende (Secretário de Estado da Cultura)

Vila Viçosa
16h30 - Paço Ducal/Museu Biblioteca da Casa de Bragança

Campo Maior
19h00 - Adega Mayor - visita seguida de jantar


Quarta-feira, 7 de dezembro

Alvito
9h30 - Coleção Ana Marin e Jorge Gaspar
10h30 - Igreja Matriz de Alvito

Vidigueira
11h10 - Vila Romana de São Cucufate
12h00 - Centro de Arte Contemporânea do Quetzal - visita seguida de almoço

Santiago do Cacém
16h00 - Cidade romana de Miróbriga

Sines
18h00 - Centro de Artes
18h40 - Escola das Artes do Alentejo Litoral
19h15 - Casa Museu Vasco da Gama
20h00 - Jantar no "Cais da Estação"

 

Marcas da Inquisição em Évora: acervos do Museu e da Biblioteca Pública de Évora

20 de outubro - 31 de dezembro -  2016

Marcas da Inquisição em Évora: acervos do Museu e da Biblioteca Pública é nome da exposição que inaugurou no Museu de Évora, no passado dia 20 de outubro.

O Tribunal do Santo Ofício da Inquisição começou a funcionar de forma continuada em Portugal em 1536. Perdurou até 1821. Neste intervalo foi uma instituição marcante na sociedade portuguesa. Em nome da ortodoxia e com a adesão de praticamente todos os grupos sociais, contribuiu fortemente para a uniformidade ideológica. Ninguém estava teoricamente excluído da sua jurisdição.

A bula que introduziu o Santo Ofício em Portugal foi publicada em Évora, cidade onde, por essa altura, se encontrava a Corte.
Évora foi também sede de um dos quatro tribunais de distrito da Inquisição portuguesa. Hoje é a urbe que conserva maior património edificado sobre esta instituição e que importa dar a conhecer e valorizar.
É por esta razão que hoje, em tempos de tolerância e de interesse pelo Património local e do mundo, se apresenta esta exposição, constituída por parte do acervo que se encontra no Museu e na Biblioteca Pública.

A iniciativa é organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo - Museu de Évora, CIDEHUS - Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e Fundação Eugénio de Almeida, com o apoio da Câmara Municipal de Évora e Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Évora.

 

Jornadas "Memórias da Guerra de Espanha na Fronteira do Baixo Alentejo - 80 Anos Depois (1936 - 2016)"

8 e 9 de outubro - 2016

Nos passados dias 8 e 9 de outubro, decorreram no concelho de Barrancos e de Oliva de La Frontera, as Jornadas  'Memórias da Guerra de Espanha na Fronteira do Baixo Alentejo - 80 anos depois (1936 - 2016)'.

No 80.º aniversário do início da guerra civil espanhola os municípios de Barrancos (Baixo Alentejo) e de Oliva de la Frontera (Badajoz) organizaram estas Jornadas Internacionais, com a colaboração da antropóloga Dulce Simões e com o apoio da EDIA/Parque Natureza de Noudar e da Direção Regional de Cultura do Alentejo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A guerra civil espanhola (1936-1939) resultou de um golpe militar contra o governo democrático da II República, e transformou-se num conflito à escala internacional que trespassou a fronteira portuguesa. No concelho de Barrancos, na raia do Baixo Alentejo, ocorreram dois dos maiores fluxos de refugiados, cujo acolhimento legitima a construção de uma memória social alicerçada na resistência e na solidariedade. O apoio de Salazar a Franco e as memórias da repressão e do genocídio espanhol justificam o propósito destas Jornadas, que questionam o passado a partir do presente, visando a construção de um futuro de liberdade, igualdade e solidariedade.

No âmbito das Jornadas foi apresentado o livro de Dulce Simões: A Guerra de Espanha na fronteira luso-espanhola. Resistências, solidariedades e usos da memória, pela Professora Paula Godinho.
Esta obra resulta de uma tese doutoral em antropologia (editada em castelhano, em 2013) que oferece uma nova realidade empírica sobre as resistências à dominação e as solidariedades, e como estas se entrecruzam com a soberania dos Estados, em particular com as ditaduras ibéricas dos anos de 1930, num espaço fronteiriço (entre Barrancos, Encinasola e Oliva de la Frontera) dominado por diversos fluxos durante e após a guerra civil espanhola.

A exposição sob o tema "150 anos do Tratado de Limites entre Portugal e Espanha (1864)", encontra-se patente no Posto de Turismo de Barrancos, onde poderá ser visitada até 31 de dezembro de 2016.

 

Programa Sensibilização para a Educação Patrimonial - 5.ª edição

De abril a outubro - 2016

Tendo por objectivos, a formação e sensibilização da faixa etária infanto-juvenil (público escolar) para a preservação e valorização do património cultural imóvel, este programa contou com a sua 5.ª edição.

Contemplou 9 iniciativas, em diversas áreas artísticas, privilegiando, como espaço de apresentação das mesmas, os imóveis afectos à DRCAlentejo, contribuindo para a sua dinamização e divulgação
da sua história: castelos de Alandroal, Campo Maior, Amieira do Tejo, Centro Interpretativo da Villa Romana de S. Cucufate, Museu de Évora e Museu - Lagar de Varas do Fojo.



As iniciativas foram agendadas com os agentes culturais Riscos na Paisagem - Projecto Terra Corpo, THEATRON - Associação Cultural, Fenando Malão e Paula Cusati, contando com o apoio dos Municípios de Alandroal, Campo Maior, Castelo de Vide, Moura, Nisa, Vidigueira, Junta de Freguesia de Vila de Frades, e Museu de Évora, em articulação com as escolas dos concelhos onde as ações tiveram lugar.

A programação assinalou a comemoração de datas importantes em termos culturais e de cidadania:

Abril - Dia Internacional do Livro Infantil (2) e Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18);
Maio - Dia Internacional dos Museus (18);
Outubro - Dia Mundial da Música (1) e Dia Nacional dos Castelos (7).


"Malagueira - Álvaro Siza's legacy " - Exposição e Conferência

De 13 de maio a 1 de julho - Casa de Burgos

A 13 de maio, inaugurou, na galeria da Casa de Burgos,  a exposição de fotografias de Brigite Fleck - "Malagueira - Álvaro Siza's legacy " - que apresentou um conjunto de fotografias, sobre o Bairro da Malagueira, em Évora, projetado pelo Arquiteto Siza Vieira.

Com curadoria de Pedro Guilherme (CHAIA - UÉvora, Sofia Salema e João Soares (DAue - UÉvora), a exposição foi organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, Universidade de Évora - Departamento de Arquitetura  e Município de Évora, com o apoio de Drawing Matter e  integrou o programa que assinalou os 20 Anos das Artes na Universidade de Évora.

No âmbito desta exposição, no passado dia 3 de junho, o Arquiteto Álvaro Siza Vieira, proferiu uma conferência que contou com a apresentação da artista Brigite Fleck, no pátio da Casa de Burgos.

 

 'Pão e Circo em Miróbriga' assinalou comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 2016

14 de abril

"Pão e circo em Miróbriga" foi o título da conferência proferida pelo Professor Jorge de Alarcão, dia 14 de abril,  no Centro Interpretativo de Miróbriga, em Santiago do Cacém, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, este ano dedicado ao tema “Desporto, um património comum”.



O Professor Doutor Jorge de Alarcão, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e doutor honoris causa pelas universidades de Bordéus e Santiago de Compostela, é um dos maiores e mais conceituados investigadores portugueses sobre o domínio romano em Portugal. É autor de diversas obras e artigos científicos, muitas delas conhecidas do grande público.

A conferência contou com a participação da Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Dra. Ana Paula Amendoeira, do Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Norberto Barradas e da Presidente da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, Dra. Maria Magalhães Ramalho.


O hipódromo romano de Miróbriga, o mais antigo equipamento desportivo e o único hipódromo de planta conhecida em Portugal, foi o mote para a interessante conferência, bem-humorada e cheia de pormenores, sobre os romanos e a sua vida naquela época.


A iniciativa foi promovida pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e pela Câmara de Santiago do Cacém, com a  colaboração de diversas entidades e associações.

 

Recital Comemorou Conservação e Restauros dos Órgãos Históricos da Antiga Sé de Elvas

4 de março

Um recital comemorativo, interpretado por João Vaz e apresentado por Rui Vieira Nery, assinalou a conclusão da obra de conservação e restauro dos órgãos históricos da Igreja de Nossa Senhora da Assunção, antiga Sé de Elvas, no passado dia 4 de março, às 21 horas.

© Imagens gentilmente cedidas por Concepción Escalona e Pablo Simón

O concerto inaugural dos órgãos de armário (1758) e Grande (1760), de Oldovino,  contou com a presença do Arcebispo de Évora, D. José Alves; do Presidente da Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha; da Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, entre outras entidades.
Ao fim de meio século em silêncio e após restauro pela Oficina e Escola de Organaria - Esmoriz, e Regra de Ouro, os dois órgãos do século XVIII voltam a ouvir-se. O investimento, na ordem dos 150 mil euros, foi financiado através de um contrato de financiamento a projetos de património cultural (Conservação e Restauro dos Órgãos Históricos), no âmbito do INALENTEJO.
A iniciativa foi organizada pela Câmara Municipal de Elvas, Direção Regional de Cultura do Alentejo e Fábrica da Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Assunção.

 

'Vergílio Ferreira na Biblioteca Pública em Évora'

De 29 de fevereiro a 28 de março

Associando-se às comemorações do Centenário de Vergílio Ferreira a Direção Regional de Cultura do Alentejo, a Biblioteca Pública de Évora e a Universidade de Évora inauguraram, no passado dia 29 de fevereiro, a exposição 'Vergílio Ferreira na Biblioteca Publica em Évora', sobre o percurso de vida e a obra do escritor que para sempre ficou ligado à cidade de Évora.


Integravam também esta exposição, imagens e depoimentos de algumas personalidades que  privaram com o escritor.

A exposição esteve patente na Biblioteca Pública de Évora,  até 28 de março.




Ministro da Cultura visitou concelhos de Portalegre, Montemor - o - Novo, Viana do Alentejo e Évora

29 de fevereiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



No passado dia 29 de fevereiro de 2016,  Sua Ex.a o Sr. Ministro da Cultura, Dr. João Soares, visitou os concelhos de Portalegre, Montemor - o - Novo, Viana do Alentejo e Évora.

A visita teve início em Portalegre, na Manufatura de Tapeçarias de Portalegre e Museu Guy Fino,  seguindo depois para Montemor - o - Novo, Projeto Espaço do Tempo, do coreógrafo Rui Horta, instalado no Convento da Saudação.

No concelho de Viana do Alentejo foi visitada a obra de recuperação do Paço dos Henriques, em Alcáçovas.

Já em Évora, SE o Senhor Ministro da Cultura presidiu à sessão de apresentação e assinatura da carta de compromisso do projeto Casa/Atelier João Cutileiro, no seguimento da intenção de doação ao Estado do espólio do escultor.

 

Assinatura de Protocolo e Acordo de Colaboração para a Valorização do Museu Regional de Beja

24 de fevereiro de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia 24 de fevereiro, às 11h30, foi assinado o Protocolo de Colaboração Técnica e Científica para a Valorização do Museu Regional de Beja, celebrado entre a CIMBAL, a Direção Regional de Cultura do Alentejo, a Universidade de Coimbra e a Universidade de Évora, e o Acordo de Colaboração Mecenática para a Valorização do Museu Regional de Beja, celebrado entre a CIMBAL e a Fundação Millennium bcp.
A cerimónia pública decorreu no Museu de Beja. Instalado no Convento da Conceição - edifício de grande valor arquitetónico e artístico - o Museu, administrado pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, possui um valioso acervo patrimonial composto pelas coleções de Pintura, Arqueologia, Azulejaria, Escultura, Ourivesaria, Cerâmica Utilitária, Numismática, Metrologia e Ferragens.
Os documentos assinados estabelecem a forma de colaboração entre os diversos outorgantes, relativamente ao processo de requalificação do edifício do Museu, assim como à conservação e valorização do acervo do Museu Regional de Beja, face à necessidade de promover o edifício e o seu pouco conhecido acervo.
Neste âmbito é também de salientar o apoio mecenático prestado pela Fundação Millennium bcp.

Protocolo para a Gestão e Valorização do Sítio Arqueológico de Miróbriga

16 de fevereiro de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Direção Regional de Cultura do Alentejo, a  Câmara Municipal de Santiago do Cacém e a União de Freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra assinaram, no dia 16 de fevereiro, um protocolo para a gestão e valorização do Sítio Arqueológico de Miróbriga.

A sessão decorreu no Centro Interpretativo de Miróbriga, na presença de autarcas, entidades parceiras e convidados, que foram desafiados a manter e inclusive a intensificar o trabalho de parceria que tem vindo a ser desenvolvido até à data.

 

Sua Excelência o Presidente da República Visita Igreja de S. Francisco após Obras de Requalificação

11 de fevereiro de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No âmbito das obras de requalificação de que foi alvo a Igreja de S. Francisco, em Évora, Sua Excelência o Presidente da Répública visitou o imóvel, onde, na Sala Régia, assistiu a um pequeno vídeo sobre o processo de intervenção, conservação e reabilitação que abrangeu todo o conjunto.

A visita incidiu também nos Núcleos Museológicos de Arte Sacra e da Coleção de Presépios.

A Igreja de São Francisco, imóvel classificado como Monumento Nacional (Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910) beneficiou de um processo de intervenção de conservação e reabilitação que abrangeu todo o conjunto, promovido pela Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de São Pedro, ao abrigo de protocolo com o Estado  e com estreito acompanhamento da Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Esta intervenção constituiu um dos mais significativos investimentos em Património realizados nos últimos anos no Alentejo, candidatados aos fundos europeus no final do programa INALENTEJO.

 

 'Nasceu Jesus - Presépios de Delfim Manuel'

Igreja do Salvador - Évora
5 de dezembro de 2015 - 30 de janeiro de 2016


Sob a invocação "NASCEU JESUS", Delfim Manuel, reconhecido como o melhor ceramista português, na atualidade, apresenta, em Évora, uma exposição dos seus presépios, celebrando com os seus amigos, admiradores e o público em geral, mais uma quadra natalícia.

A exposição, organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e Cabido da Sé de Évora, foi inaugurada no passado dia 5 de dezembro, contando com um breve apontamento musical, proporcionado gentilmente pelo Coral Évora.

Fotografias amavelmente cedidas por Joaquim Carrapato

Natural de Vila Nova de Famalicão, Delfim Manuel tinha 10 anos de idade quando tomou pela primeira vez contacto com o barro, matéria - prima que lhe moldou a vocação artística, cuja criatividade se tem orientado para variados temas religiosos e profanos.
Um misto de cultura popular e voluptuosidade barroca caracterizam a cenografia dos seus presépios, principalmente daqueles que evidenciam uma maior complexidade figurativa, partilhando histórias que povoam o nosso imaginário.


Patente até 30 de janeiro de 2016, a exposição poderá ser visitada de terça a sexta - feira das 9h30 às 12h30 e das 14h às 16h e, ao sábado, das 11h às 13h e das 15h às 17h.  A entrada é livre.

 

'Antifonários do Mosteiro da Cartuxa de Santa Maria de Scala Coeli'


Galeria da Casa de Burgos - Até 30 de outubro de 2015

De 1 a 30 de outubro de 2015, esteve patente na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, a exposição 'Antifonários do Mosteiro da Cartuxa de Santa Maria de Scala Coeli', organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo, Arquivo Distrital de Évora e Cartuxa Scala Coeli - Évora.

Nesta exposição ouviu-se a voz dos monges brancos a cantar ao Criador e poderam ver-se os livros para tal usados, os antifonários - edições antigas, artisticamente ornamentadas e cuidadosamente conservadas, salvas entre as muitas outrora existentes.

Os Cartuxos cantam a capella (sem ajuda de instrumentos), dia e noite, num total de quatro horas, sendo o cantar ao Criador o cume da vocação cartusiana.

A exposição assinalou as Comemorações do Dia Mundial da Música.

Imagens da inauguração ( 1 de outubro)

 







 

 

 

 

 

 











Exposição "A cenografia barroca e as imagens de vestir"


Igreja do Salvador - Évora
De 12 de março a 30 de abril de 2014

A exposição "A cenografia barroca e as imagens de vestir" organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo - Museu de Évora, com o apoio do Cabido da Sé de Évora e Paróquia de Santo Antão, inaugurou no passado dia 12 de março, às 18h, na Igreja do Salvador, em Évora.

 Ao longo do século XVII e prolongando-se pelos séculos XVIII e XIX, verificou-se uma larga produção de imaginária, ligada inicialmente a uma religiosidade pós Concílio de Trento, em que o culto das imagens desempenhava um importante papel. Eram apresentadas de diversas formas e para diversos espaços - religiosos e públicos -, no âmbito de várias manifestações coletivas de religiosidade, onde as procissões tinham um papel de realce.

Nesta vasta produção de imaginária dominavam as imagens de roca, de vestir, ou articuladas, que possibilitavam a mudança de vestes, gestos ou encenações, tão características da época barroca. Possuíam ainda outras vantagens, comparativamente com as imagens de vulto (esculpidas e com as roupagens e mantos normalmente estofados): eram consideravelmente mais leves - o que facilitava o seu transporte - e mais baratas.

Muitas destas imagens tinham um caráter popular onde se manifestava a liberdade do artista. Eram ainda testemunhos de uma produção seriada, apta a servir um vasto leque de hipóteses funcionais e de representações.

A exposição poderá ser visitada até dia 30 de abril, no seguinte horário: de terça a sexta - feira, das 10h às 12h30 e das 14h30 às 17h; sábado das 11h às 13h e das 15h às17h .

 
"A Azul e Branco - Cerâmica Seiscentista Portuguesa da Coleção do Museu de Évora"

Galeria da Casa de Burgos - Évora
18 de julho a 19 de setembro 2013

A exposição "A Azul e Branco - Cerâmica Seiscentista Portuguesa da Coleção do Museu de Évora", organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e Museu de Évora, inaugurou dia 18 de julho na Galeria da Casa de Burgos.

 

Os contactos com o Oriente deram a conhecer à Europa a porcelana chinesa, um tipo de cerâmica envolta em grande lenda e mistério, que depressa alcançou grande sucesso entre o mercado europeu. Símbolo de luxo e exotismo, a porcelana nunca perdeu a popularidade e o seu estilo influenciou mesmo as gramáticas decorativas europeias. Exemplo disso é a adoção na azulejaria (holandesa e posteriormente portuguesa) do branco e do azul, cores utilizadas na porcelana da dinastia Ming.

A gramática decorativa oriental estender-se-ia também ás opções iconográficas presentes sobretudo na faiança, a produção cerâmica nacional, que realizada a azul e branco, com uma clara linguagem decorativa oriental, pretendia reproduzir a porcelana chinesa, apesar da grosseira textura do barro cozido e sua ausência de brilho nunca conseguirem reproduzir a sensível e delicada arte da porcelana.

Nesta exposição pretende-se precisamente apresentar o núcleo de faiança seiscentista do Museu de Évora, muito representativa desta tendência oriental da cerâmica realizada nas oficinas de Lisboa. Muitas das peças apresentadas pertenciam a conventos, demonstrando que esta tendência não era exclusiva das tentativas de ostentação da nobreza e burguesia endinheirada, mas estendia-se a todos. 

Uma parte da coleção integrava a coleção do arcebispo de Évora, D. Frei Manuel do Cenáculo.

A exposição poderá ser visitada até dia 19 de setembro de 2012, dia em que terá lugar uma conferência sobre o tema, às 18h00.

 

"Bonecos de Estremoz - Devoção e Festa"

Galeria da Casa de Burgos - Évora

De 13 de junho a 12 de julho

A Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Estremoz inauguraram dia 13 de junho, às 18 horas, a exposição "Bonecos de Estremoz - Devoção e Festa", que está patente na Galeria da Casa de Burgos, em Évora.

Na inauguração estiveram presentes a Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Aurora Carapinha; o Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Estremoz, José Trindade; o Diretor do Museu Municipal de Estremoz Prof. Joaquim Vermelho, Hugo Guerreiro; e o jovem artesão Ricardo Fonseca, entre muitos outros convidados.

Constituída por peças da coleção do Museu Municipal de Estremoz - Prof. Joaquim Vermelho, é de destacar na exposição o núcleo de imagens antigas, entre as quais Santo António e São João, encontrando-se também patentes peças atuais de artistas estremocenses.

As primeiras referências escritas ao figurado de Estremoz são de princípios do século XVIII, encontrando-se a origem dos bonecos associada à necessidade espiritual de mulheres, habituadas a lidar com o barro, que modelavam o santo da sua devoção, numa terra onde o barro era abundante e as olarias numerosas.

Da devoção especial do povo, e especialmente das mulheres, destacam-se Santo António, que para além de casamenteiro era igualmente evocado para ajudar a consertar os caquinhos das cantarinhas; Nossa Senhora da Conceição, dada a proximidade do Santuário deste orago; São João, cujas festas populares sempre tiveram grande manifestação local e Santo Onofre, patrono que auxilia nas desgraças e também evocado em necessidades de dinheiro.

Em Estremoz ainda hoje se modelam bonecos, sejam os de gosto local ou de índole contemporânea, graças à ação de resgate e renovação efetuada pela Escola de Artes e Ofícios.

As imagens dos artistas contemporâneos que integram a exposição estarão disponíveis para aquisição durante o período em que decorre o evento.
A exposição encontra-se patente até dia 12 de julho, podendo ser visitada de segunda a sexta - feira, das 09h00 às 13h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados das 11h00 às 13h00 e das 15h00 às 17h00.

Fotografias da inauguração

 

   
 

 

   

 

Móveis de Assento - Século XVIII - Coleção do Museu de Évora
De 14 de março a 27 de abril - Galeria da Casa de Burgos

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo e o Museu de Évora inauguraram, dia 14 de março, a exposição Móveis de Assento - Século XVIII - Coleção do Museu de Évora, que poderá ser visitada na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, até 27 de abril de 2012.

No âmbito desta exposição, que apresenta uma pequena parte, mas bastante significativa, do núcleo de móveis de assento portugueses do Museu de Évora, com particular destaque para os correspondentes ao período barroco, terão ainda lugar na Galeria da Casa de Burgos, o workshop Conservação de Móveis, orientado por Luís da Silva (Museu do Marceneiro), dia 11 de abril, às 17h30; e a conferência Mobiliário de assento: rotina e encomenda, proferida por Manuel Engrácia Antunes, dia 20 de abril, às 18h00. 

Texto informativo

Esta iniciativa conta com o apoio de:
Comissão Vitivinícola Regional Alentejana
Galeria de Móveis de S. Francisco
Museu do Marceneiro


Horário de visita:
De 2.ª a 6.ª das 09h00 às 13h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados das 11h00 às 13h00 e das 15h00 às 17h00.

Imagens da inauguração

Concurso Poesia & Património

 

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo lança o concurso "Poesia & Património", que visa aliar o conhecimento da Língua Portuguesa e da poesia ao património cultural imóvel, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Poesia (21 de março).

Esta será a primeira iniciativa, de um conjunto a realizar durante o ano de 2012, que integra um Programa de Sensibilização no âmbito da Educação Patrimonial.

Este concurso, cujo prazo para apresentação de poemas decorre entre 15 de fevereiro e 7 de março, dirige-se a alunos do 2º Ciclo, das escolas públicas de 24 concelhos da região Alentejo onde existem bens imóveis classificados afetos à DRCAlentejo (consultar listagem) e conta com o apoio da Editora Licorne, Diário do Sul e Rádio Telefonia do Alentejo e o patrocínio das livrarias Dom Pepe e Nazareth & Filho, Ld.ª .

Consultar aqui:

- Regulamento do concurso;

Listagem dos imóveis afetos;                                    

- Ficha de Candidatura;

- Cartaz para divulgação.


Para qualquer esclarecimento contactar:

- Helena Rocha ou Sandra São Pedro através do telefone nº 266 769 450, ou dos e-mails helenar@cultura-alentejo.pt ou sandrasaopedro@ultura-alentejo.pt 

 

EX - VOTOS PINTADOS

 Galeria da Casa de Burgos, em Évora

De 18 de janeiro a 17 de fevereiro de 2012

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo inaugurou, dia 18 de janeiro, a exposição Ex-votos Pintados, que estará patente na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, até 17 de fevereiro de 2012.

 

Desdobrável (frente)

Desdobrável (verso)

Os ex-votos, sob formas e feitios variados, moldados em diferentes materiais (objetos, pinturas, desenhos, esculturas e fotografias), expressam, na sua diversidade o cumprimento de uma promessa, que recompensa o divino por uma ação de graças concedida. 

Tratando-se de uma manifestação da devoção religiosa popular, os ex-votos são também testemunhos de história social, terrenos privilegiados para o estudo das mentalidades, da cultura e das práticas religiosas, mas também da história da ciência e da medicina.

Tendo por objetivo mostrar painéis votivos de coleções que marcaram de maneira significativa essa forma de devoção na Europa e no Brasil, entre os séculos XVII e XIX, as imagens fotografadas, em exposição, correspondem a pinturas votivas brasileiras que integram a coleção do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas do Campo (estado de Minas Gerais/ Brasil) - um dos grandes centros de peregrinação brasileiro - sendo os demais ex-votos provenientes de quatro dos principais centros de peregrinação da região Alentejo: Santuários de Senhor Jesus da Piedade (Elvas), Nossa Senhora do Carmo (Azaruja), Nossa Senhora D'Aires (Viana do Alentejo) e a Ermida de Nossa Senhora da Visitação (Montemor - o - Novo).

O motivo de expor estas imagens deve-se ao facto dos painéis votivos brasileiros possuírem, como influência principal, os aspetos compositivos e pictóricos dos ex-votos portugueses, estudados por Ana Helena Duarte na sua tese de doutoramento "Ex-votos e poiesis: representações simbólicas na fé e na Arte", pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

Esta exposição é organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo em colaboração com os Santuários de Senhor Jesus da Piedade (Elvas), Nossa Senhora do Carmo (Azaruja), Nossa Senhora D'Aires (Viana do Alentejo) e Ermida de Nossa Senhora da Visitação (Montemor-o-Novo).

Horário de visita:
De segunda a sexta-feira - das 09h00 às 12h30 / das 14h00 às 17h30;
Sábado - das 10h30 às 12h30 / das 14h30 às 16h30

Para informações: Tel.: 266 769 450

POÉTICA DA LUZ - OLIVEIRA TAVARES

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo inaugurou, no passado dia 7 de dezembro, na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, a exposição de Pintura de Oliveira Tavares - Poética da Luz , que poderá ser visitada até 11 de janeiro de 2012.

Natural de Lisboa (1961), Oliveira Tavares reside atualmente em Borba, Portugal.
Frequentou o curso de Arquitectura no Instituto Superior Técnico, o curso de Desenho do A.R.C.O. e o curso de História da Arte na Sociedade Nacional de Belas-Artes, de que é membro. Encontra-se citado no catálogo da Exposição George de La Tour (ISBN 4-906536-32-8), no Museu de Arte Ocidental (Tóquio) e no livro Ingres Regards Croisés (ISBN 2856204643), publicado em França.

Site: www.oliveiratavares.com

Horário:

Dias úteis das 09h00 às 12h30/das 14h00 às 17h30.

POÉTICA DA LUZ

A pintura de Oliveira Tavares é uma Pintura de Luz.
As suas telas sempre acrescentam luz à luz sem a dividir, sendo cada uma das suas pinceladas, um hossana dado por suas mãos a QUEM a dispensa a todos nós para que a partilhemos.
Que nos oferece o Pintor pelas suas impressivas imagens?
Muitos sentimentos que, vivenciados, ora em vigília desperta, ora por sonhos rememorados, sugerem, exprimem, chamam. pois a sua força telúrica deseja transmitir-se, comunicar, expressar-se.
Torrentes de luz, ei-los, por vezes, limpos nos azuis, quentes nos doces e fortes amarelos, verdes águas criadoras, vermelhos, quais gritos não cabem em peito generoso, mas levantados em mãos suaves, delicadas, mesmo quentes...dedos, quais pétalas perfumando o silêncio.
Há rostos, bocas, dessas carnudas, quase disponíveis, mas seladas, interiores, secretas.
então, os olhos?!
Que suavidade! Que distância. Que força de expectativa, que descida pela interioridade...
Também se ouve música nas suas telas. Uma música antiga, nascida do vento dedilhando o vazio das ânforas, qual corpo de mulher que em sonhos se ouviu, ou viveu?
Há vezes em que o Pintor escreve Dor, e tantas são as letras dessa palavra que enchem uma tela até ao desespero ou até as mãos se renderem...
Se esvoaçam anjos ou, acaso, escutam, é porque eles desejam entrelaçar-se na vida e o pintor não os dispensa.
Dissemos que Oliveira Tavares pinta a luz e que baste que o abonemos com os olhares que todas as suas telas nos oferecem: eles se nos juntam para mais sermos da Vida.
Oliveira Tavares pinta a Vida, pois não a quer para si próprio.

João Tavares
Vila Viçosa, 8 de Novembro de 2011

 Imagens da inauguração

Poderá ainda ficar a saber mais sobre a Casa Nobre da Rua de Burgos - imóvel afeto à Direcção Regional de Cultura do Alentejo - cuja Galeria acolhe esta exposição.

 

Era Uma Vez, 20 anos de Teatro de Bonecos

Galeria de Exposições da Casa de Burgos

De 11 de novembro a 2 de dezembro de 2011

No passado dia de S. Martinho, 11 de novembro, inaugurou na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, a exposição "Era Uma Vez, 20 anos de Teatro de Bonecos",  contando com a estreia do Auto de S. Martinho, de Gil Vicente, a mais recente produção da Companhia Era Uma Vez - Teatro de Marionetas.

A exposição organizada pela Era Uma Vez - Teatro de Marionetas, em parceria com a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura/DGARTES, exibe ao público o espólio adquirido pela Companhia ao longo de duas décadas e poderá  ser visitada até dia 2 de Dezembro de 2011.

 No âmbito desta exposição serão ainda apresentados pelo Era Uma Vez (http://eraumavezmarionetas.com), durante o mês de novembro, os espetáculos: "O Bolo" (dia 15 - 10h30); "O Mistério da Pedra Encantada" (dia 17 -10h30); "O lixo do senhor Bartolomeu" (dia 22 - 10h30); "A Princesa Ziah" (dia 24 - 10h30) e "A Formiga e o Coelhinho" (dia 30 - 15h), com o apoio do Município de Évora. Estes espetáculos terão igualmente lugar na Galeria da Casa de Burgos.

Horário de visita à exposição:
De 11 de novembro (inauguração às 18h00) a 2 de dezembro
Dias úteis das 09h00 às 12h30/das 14h às 17h30.

 

D. Carlos I - Fotógrafo Amador 

De 28 de setembro a 4 de novembro de 2011     

A exposição D. Carlos I - Fotógrafo Amador, organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio da Fundação da Casa de Bragança - Paço Ducal de Vila Viçosa, inaugurou no passado dia 28 de setembro (dia de aniversário de nascimento dos reis D. Carlos I e D. Amélia), na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, podendo ser visitada até dia 4 de novembro.

Esta mostra do Arquivo Fotográfico do Paço Ducal de Vila Viçosa, apresenta uma seleção de 44 fotografias tiradas pelo Rei D. Carlos I, por ele legendadas, datadas e até assinadas, que se prolongam pelo período entre1887-1907, abordando  vários   temas - reportagem,  aspetos  ligados  com  a  oceanografia, vida familiar - com grande relevância para a história e para uma arte que estava no seu início - a fotografia.

Dado o seu caráter didático, esta exposição dirige-se também a um público jovem visto proporcionar uma outra abordagem da história e das artes a esta faixa etária.

Poderá consultar aqui o desdobrável da exposição:

Desdobrável (exterior)

Desdobrável (interior)

 

'Pictures from life's other side' - De 15 de julho a 26 de setembro

No passado dia 15 de julho, inaugurou, no Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa - Crato, a exposição "Pictures from life's other side", da artista plástica Barbara Walreven, organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio da Câmara Municipal do Crato.

A exposição estará patente ao público até dia 26 de setembro de  2011.

Barbara Walraven entrelaça nas suas obras realidades duras e suaves. Na sua arte, simultaneamente, vemos estas realidades unir e colidir. Cada obra representa uma experiência complexa: o que considerávamos duro ou suave, vivo ou morto, viril ou feminino, como coisas distintas e separadas, aqui torna-se uma forma só, uma coisa. Um é o outro. As diferenças que julgávamos conhecer, aqui estão numa nova linguagem, com novas conotações.

A pele transformada em couro representa uma flor - o duro e morto torna presente o suave e feminino. Traços de adoradores nos traços das flores que cuidaram - servidão desperdiçada e descartada, o que era venerado na mortalidade fez os seus ícones. Maria, a mais abençoada, a rosa, a mais formosa.
Mas a obra de arte não transmite só um único significado. Poderemos ver uma acusação, uma denúncia, mas também uma vontade de ressurreição, ou de recuperação. O morto com persistência recupera a vida; inversamente, o vivo e frágil cobre-se com disfarces cariados e sombrios.
Pele lançada sobre um esqueleto: ajudará a esconder alguma coisa - o antigo servilismo ou submissão? Ou estará o esqueleto a reconquistar a vida, é esta a sua forma de deixar para trás os sombrios tempos idos? O resultado faz-nos tremer, instila receio, mas não nos toca também? Que último esforço corajoso, que vontade de viver. Essas aparições assustadoras, seremos nós?
E aquelas pedras, não participam elas também na denúncia, ou numa vingança? Aqui as lápides não sustentam nomes de personalidades, mas as novas imagens que silenciam a velha voz, expressando outros passados. Mas, felizmente! Existe a mais terna das artes de pintura, a aguarela.
Aliviados podemos agora matar a nossa sede por consolo. Aliviados? Contudo, teremos que olhar com mais atenção.

É este um mundo de homens, um mundo de mulheres, um mundo de híbridos a lutar pelo seu caminho além dos limites existentes? É a flor de couro o ícone deste mundo? O que vamos chamar a este mundo? Ou será que primeiro teremos que aprender a considerá-lo melhor?

Concedido, o nosso olhar encontra pouca suavidade no mundo de Barbara Walraven. É trabalho duro e arte trabalhosa que aparecem em primeiro lugar. Mas eles pedem algo de nós. 

Pedem uma imaginação que mantém visível o suave no duro e que permite que o suave exista precisamente graças ao endurecimento. A pele espessa, bronzeada e rija, prova-se receptiva ao belo e funde-se com ele. Transitoriedade dá luta e o servilismo lança-nos as suas verdades perseveras. Graças à resistência e à não vergável, surgem novas expressões.

Onde pertence o trabalho, onde a criatividade? Onde o feminino, onde o masculino? Onde existe a natureza, no seu florido ou seus aspectos calejados? Confunde a arte de Walraven o nosso olhar, ou estava já este olhar confundido por tudo o que julgávamos apropriado ver?

Judith Vega

Algumas imagens da exposição:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fique também a saber mais sobre o Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa, monumento afeto à Direcção Regional de Cultura do Alentejo.

 

Alcácer do Sal nos Últimos Três Milénios - a confluência de culturas - De 3 de agosto a 24 de setembro

A Galeria da Casa de Burgos acolhe, desde o passado dia 3 de agosto, a Exposição Alcácer do Sal nos Últimos Três Milénios - a confluência de culturas, organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio da Câmara Municipal de Alcácer do Sal.

A presente exposição inclui espólio proveniente do castelo e outros locais do concelho de Alcácer do Sal, englobando materiais cerâmicos de uso quotidiano, entre outros, bem como, diversos metais.

Cronológicamente os materiais expostos vão desde a Idade do Ferro até à Época Contemporânea.

Esta exposição estará patente até dia 24 de setembro, podendo ser visitada de 2.ª a 6.ª feira das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

 

Arte Pastoril Alentejana
De 15 de junho a 15 de julho de 2011

No próximo dia 15 de Junho, às 18h30, a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, em colaboração com a Câmara Municipal de Estremoz, Museu Rural de Estremoz e Casa do Povo de Santa Maria, inaugura em Évora, na Galeria da Casa de Burgos, a exposição Arte Pastoril Alentejana.

 A Arte Pastoril alentejana - manifestação artística ligada a horas de pesado isolamento de pastores de outras épocas, à sua criatividade e às matérias-primas que a natureza lhes oferecia - mostra-nos um diversificado e muito interessante conjunto de peças utilitárias, tão diversas como as cornas, os canudos de ceifa, as caixas, as colheres, ou outras de grande valor etnográfico, esculpidas pelo pastor que as decorava conforme a sua sensibilidade.

A exposição integra peças do Museu Rural de Estremoz e de colecionadores particulares do Alentejo, podendo ser visitada até dia 15 de Julho, das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
T. (+351) 266 769 450 - Página Web: www.cultura-alentejo.pt

 

Exposição 09/04/11 - 20/05/11 

Mário Palma . Rodrigo Bettencourt da Câmara . Teresa Palma Rodrigues

Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa -Crato
De 9 de Abril a 20 de Maio de 2011

De 9 de Abril a 20 de Maio, no Mosteiro da Flor da Rosa, no Crato, estará patente "09.04.2011 - 20.05.2011", uma exposição que congrega os trabalhos de Mário Palma, Rodrigo Bettencourt da Câmara e Teresa Palma Rodrigues.
O título desta exposição remete directamente para o espaço de tempo no qual cada  interveniente fará confluir os seus trabalhos numa lógica expositiva de conjunto.

Mário Palma convida-nos a entrar e descodificar INCOMPLET BOX. Um objecto ideia tornado visível por "Experimenters", personagens inventados que interpretam o espaço e produzem objectos com sensibilidades e intenções individuais."Matrix . Projecção#1" constitui o primeiro instante da revelação de INCOMPLET BOX.

Rodrigo Bettencourt da Câmara apresenta 4 fotografias da série "White Walls" contextualizadas em "Works in Progress". As imagens, complementadas com uma faixa sonora, mostram espaços expositivos preparados para serem intervencionados. A captura das imagens é feita através de uma exposição longa onde só o registo do que é permanente se revela nitidamente. De pessoas e objectos que atravessam o enquadramento, apenas se registam leves transparências indecifráveis reveladas pelo som das suas acções.

Teresa Palma Rodrigues volta a utilizar a tela simultaneamente como suporte e como elemento pictórico."Mesa Póstuma" é uma instalação na qual a tela é usada como objecto sobre uma mesa, abandonando o carácter de mero ecrã de representação, propondo uma reflexão sobre a omnipresença da herança cultural do Ocidente e apropriando-se da própria História da Arte (sugerindo um paralelo entre a Arte e o Divino ou um questionamento acerca da presença e da ausência do mesmo).

 

Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
Rua de Burgos, 5
7000 - 863 ÉVORA
T.: 266 769 450 - F.:266 769 451- E-mail: info@cultura-alentejo.pt

 

Exposição Têxteis de Nisa

Galeria de Exposições da Casa de Burgos - Évora
De 18 a 31 de Março de 2011



No próximo dia 18 de Março, às 18h30, será inaugurada a exposição Têxteis de Nisa, organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo em colaboração com o Museu do Bordado e do Barro - Câmara Municipal de Nisa, que terá lugar na Galeria de Exposições da Casa de Burgos, em Évora.

A exposição incluirá os característicos alinhavados ou crivos de Nisa, o bordado de faixa -  bordado de aplicação em feltro - e ainda as rendas nisenses - rendas de bilros e frioleiras.
Amplamente reconhecidos pelas suas extraordinárias qualidades, constituíram-se como uma das expressões mais características da identidade de Nisa.

No âmbito da  exposição realiza-se  no dia 23  de  Março,  pelas 18h30,   a  conferência Nisa. Uma terra para muitos bordados, a cargo da Dr.ª Ana Pires, que terá lugar na mesma galeria.

Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
Rua de Burgos, 5
7000 - 863 ÉVORA
T.: 266 769 450
F.:266 769 451
E-mail: info@cultura-alentejo.pt

 

CANDEEIROS DE AZEITE DO MUSEU DE ÉVORA - Colecção Margiochi

Galeria de Exposições da Casa de Burgos - Évora
2 de Fevereiro - 4 de Março 2011

 

 


Poderá ser visitada na Galeria de Exposições da Casa de Burgos, em Évora, até ao próximo dia 4 de Março de 2011, a exposição Candeeiros de Azeite do Museu de Évora - Colecção Margiochi, organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo, com o apoio do Museu de Évora/Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e a colaboração da Universidade de Évora/Programa Hércules.

Constituída por 24 candeeiros de azeite, em latão, situados cronologicamente entre os séculos XVIII e XX - esta mostra é muito representativa tanto da Colecção Margiochi do Museu de Évora, como também do universo destes candeeiros. 

Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
T.:266 769 450
F.:266 769 451
E-mail: info@cultura-alentejo.pt


 

Pano de Altar 

Margarida Lagarto, 2010

Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa
1 de Outubro - 5 de Dezembro

 
das memórias do antigo mosteiro arruinado margarida lagarto  retinha o impacto do grande maciço de pedra que marcava o lugar do altar.

o reencontro com o espaço e a possibilidade de aqui intervir encaminhou-me inevitavelmente para aquele lugar ...

o pano de altar resulta da recolha de elementos das pedras de fecho das abóbadas, reinventados em formas geometrizantes e suportes extremamente frágeis que afrontam a solidez e depuração do espaço construído.

foram usadas 486 folhas de papel vegetal, recortadas e unidas com alfinetes.

margarida lagarto, nasceu em veiros em 1954
formou-se na escola antónio arroio e foi aluna do curso de artes plásticas da escola superior de belas artes de lisboa (esbal)
vive e trabalha em évora

Exposição organizada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo/Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa e Câmara Municipal do Crato, com o apoio de Pousadas de Portugal. 


*  *  *  *  *
                                                                 

A recente intervenção de conservação e afectação a novos usos do Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa possibilitou o desenvolvimento de um projecto desde há muito pensado pelas diversas entidades da tutela com responsabilidades directas na gestão deste monumento nacional, que tinha por objectivo central a devolução do imóvel à fruição pública com um projecto cultural de qualidade que contribuísse, não só para trazer público ao monumento, mas que pudesse igualmente reforçar a oferta cultural da região.

Neste contexto, a reserva de espaços para apresentação de exposições temporárias é uma das vertentes que aqui se encontram asseguradas, nomeadamente pela utilização da grande nave da antiga Igreja do Mosteiro e respectiva Sacristia, o que nos permite desenvolver e apresentar projectos contemporâneos no domínio das artes plásticas. Para o efeito, fundamental é a parceria estabelecida com o Município do Crato, com quem partilhamos uma experiência nova no plano da gestão de monumentos e sítios, garantindo a abertura regular do monumento, as visitas guiadas, o trabalho de serviço educativo, e toda a logística inerente aos transportes de obras de arte e montagem de exposições.


Aurora Carapinha
Directora Regional de Cultura do Alentejo

 

Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
T.: 266 769 450

 

Rinoceronte Objectos e Pintura

 

Exposição Temporária

Inaugurada no passado dia 10 de Abril, pela Directora Regional de Cultura do Alentejo e o Presidente da Câmara Municipal do Crato, a Exposição Rinoceronte Objectos e Pintura poderá ser visitada, no Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa, no Crato, até ao dia 31 de Julho de 2010.

Paris 1969
O rinoceronte repousava. Silencioso, enchia o espaço que uma gravura ocupava numa parede, na casa que o pintor habitava.
Já não era o original, esse que o Dürer tinha gravado com base nas descrições e prováveis registos gráficos, realizados a partir do animal oferecido ao Rei D. Manuel pelo Sultão de Cambaia e que teria enchido de espanto, não somente os portugueses do século XVI, mas igualmente os povos da Europa central que, através das feitorias detidas pelos portugueses na Flandres, dele tiveram conhecimento.
Não era igualmente o que, em breve, se viria a tornar.
Nesse ano de 1969, o pintor Renato Cruz tentava o seu ingresso na Escola Superior de Artes Decorativas de paris. A candidatura obrigava à entrega, para apreciação, de um dossier, forçosamente anónimo.
Na procura do pseudónimo necessário à identificação da sua candidatura, deu-se o encontro entre o Renato Cruz e o Rinoceronte. É neste contexto que o paquiderme irá hibernar, após a sua fugaz aparição, para reaparecer mais tarde, a partir dos anos oitenta e já em Portugal, saído da letargia em que, até então, se encontrara.
Esta Nova etapa irá ficar associada à criação de objectos realizados com recurso a uma gama diferenciada de materiais reciclados, com predomínio para a pasta de papel.

O desafio criativo que o Rinoceronte coloca a si próprio é o da exploração exaustiva das possibilidades plásticas, formais e estruturais oferecidas pelos materiais que vai recolhendo do seu quotidiano. É assim que, na sua obra, é visível o encontro entre a simplicidade formal, quase artesanal. E a cultura plástica, social, histórica e literária que a percorre.

Nesta exposição, agora patente na Flor da Rosa, o público terá, a oportunidade de desvendar o universo poético, mas igualmente crítico e mordaz, característico do entendimento estético do mondo peculiar em que este Rinoceronte se move.

Manuel Gil


* * * *

Rinoceronte precocemente resolveu escolher como seu século não este, o de vinte e um, o dos nossos dias, mas outro, o décimo segundo dos poetas árabes de Cacela e de outras taifas. Desta sorte, corria todas as manhãs com grande rapidez quando ia para a escola, ali para os lados de Vila Real de Santo António. O chifre, o seu, era Andaluz e jovem e impunha-se por ser mais poético que curvo.
Um detalhe estimava ao fazer esse caminho: correr correr correr sem outros inimigos e por entre as alfarrobeiras as laranjeiras as figueiras e os limoeiros. E logo limoeiros lunares, expressão tão sentida que um dia ouvira naquele lugar do mundo entre a serra e o mar!
Todavia, diziam-lhe que tinha de ser mais forte mais selvagem mais encorpado senão havia quem desejasse a sua pele para fazer coletes ou, voltando ao chifre estimado, quem o cobiçasse para desfazer em pó na indústria farmacêutica.
Rinoceronte não gostou do que ouvia e pensou em partir. Lisboa, Paris, ou Viena eram alguns dos sítios que sonhou. À partida, Viena onde nunca estivera mas tão bem conhecia por ouvir frequentemente o nocturno de Schubert, estava excluída. Paris, bem, em Paris já não havia pedras sadias como as que ainda há no Alentejo. Restou Lisboa e assim escolheu.
Faltava, porém, o engenho para dar o salto. Era um dos Natais do fim da década de cinquenta e quando na escola lhe exigiram uma redacção sobre essa data festiva, Rinoceronte esfregou as patas e contentamento tornou a coçar com alegria o seu chifre mais poético que curvo e escreveu sobre o nascimento de Jesus da Galileia confundindo deliberadamente Jesus da Galileia com Jesus da Reboleira, Jesus Nazareno com Jesus Baiano ou ainda Jesus da Terra-Nova com Jesus-Norte-Sul.
Rinoceronte acertara em cheio! As seis ou sete linhas deixadas na leve folha amarelada obrigaram-no a deixar os campos em volta de Castro Marim e rumou a Lisboa. Hoje, Rinoceronte vive na Rua da Madalena, eu tenho o hábito de ir roubar arte a sua casa, e como Virginia Woolf um dia escreveu NADA EFECTIVAMENTE ACONTECE ATÉ TER SIDO ESCRITO...

Carlos Mota de Oliveira


Mais informação:
Direcção Regional de Cultura do Alentejo
T.: 266 769 450

 

Flor da Rosa - Escultura de João Cutileiro

cartaz - Flor de rosa

Exposição Temporária

FLOR DA ROSA – Escultura de João Cutileiro  

até 5 de Outubro de 2009

Em 1982, Sílvia Chicó, num ensaio sobre João Cutileiro, falava na sua, até então, escassa obra de estatuária pois o escultor, apesar de vir sendo cada vez mais reconhecido internacionalmente, não tem grandes encomendas públicas, nem condições de trabalho outras senão as que ele próprio conseguiu criar(...) e, relativamente ao futuro questionava se o país merece um artista como Cutileiro e se o mesmo artista terá as condições de trabalho que lhe são devidas...

Quase trinta anos volvidos, o artista escolheu o país e as condições de trabalho continuam a ser as que criou... A estatuária, contudo, é abundante e do “estaleiro” de João Cutileiro saíram algumas das mais significativas obras de arte pública em Portugal de que o público pôde ter uma visão de conjunto com a exposição “Pedras na Praça” (Silves 2007 - itenerante) onde foi reunido um número importante de maquetas, desde o D. Sebastião (Lagos, 1973), passando pelo Monumento ao 25 de Abril (Lisboa,1997) às intervenções para a Expo 98 ou ao Grande Barco no Centro Cultural de Macau(1999).

A exposição da Flor da Rosa acontece agora um pouco como com a relação do artista com o país, o espaço chamava-o e o coração escolheu-o. Depois tudo pareceu tão natural – a selecção das peças e a sua adaptação ao espaço, ou as ligações iconográficas e estéticas ao lugar.

Não tivemos qualquer intenção de produzir uma exposição de carácter retrospectivo mas, na verdade, acabámos por seleccionar peças que abrangem alguns dos temas de eleição do trabalho de João Cutileiro. Será o “espírito do lugar” da Flor da Rosa; desde logo o topónimo, invocador da sede da Ordem Hospitalária, a Ilha de Rodes, ao tempo conhecida como Ilha das Rosas e a rosa que se repete no símbolo heráldico dos cavaleiros de S. João; o aspecto inexpugnável  da arquitectura religiosa e militar; os apontamentos da elegância clássica da renascença quando ao Mosteiro se junta um Paço; a imponência da igreja agora dessacralizada e vazia, onde se guarda apenas a memória material do túmulo de um monge/guerreiro...

A força do espaço e a presença da pedra terão animado João Cutileiro aquando de uma recente visita ao Mosteiro, recuperado para a visita pública após mais de dez anos de desigual convívio com uma unidade hoteleira das Pousadas de Portugal, que desde 1995 ocupa parte das antigas instalações monásticas.

Confrontados com a imponência do espaço era praticamente evidente a relação com as pedras de Cutileiro. As primeiras ideias remeteram para os guerreiros, tema trabalhado intensamente nos anos de 1960 e 70, em relação/reacção à guerra colonial que então marcava fortemente a vida nacional -  aqui os guerreiros serão guardiães do lugar, estes homem/máquina assemblados e paralisados no tempo confrontam a nossa obsessão por fixar um monumento no tempo e numa memória.

Exposição Flor da Rosa


Esta Flor da Rosa, do universo temático das Flores, Frutos e Pássaros, pertence a um conjunto especialmente executado para uma exposição de homenagem ao fotógrafo Robert Mapplethorpe e ocupa aqui um lugar chave na ténue linha entre passado e  presente.

As árvores pediram para entrar e parece fundirem-se com as mulheres que aqui se recolheram, delicadas, despudoradas e frágeis. Tomam conta da grande nave onde outrora homens de guerra oraram a uma outra virgem.


Ana Cristina Pais

 

 

"ou: do avesso" - Exposição de Pintura de Augusto Rainho

Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa
De 30 de outubro a 8 de janeiro de 2012

"ou: do avesso",  exposição de pintura  de Augusto Rainho, organizada pela Câmara Municipal do Crato e Direcção Regional de Cultura do Alentejo, patente no Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa - Crato.

A exposição integra 25 obras de Augusto Rainho - pintor, fotógrafo, professor e designer, que nasceu, vive e trabalha em Castelo de Vide - podendo ser visitada até dia 8 de janeiro de 2012, no seguinte horário:

Dias úteis:
Das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 

Fim de semana
Das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 18h00

Mais informações
T. (+351) 245 997 341

 

POÉTICA DA LUZ - OLIVEIRA TAVARES

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo inaugurou, no passado dia 7 de dezembro, na Galeria da Casa de Burgos, em Évora, a exposição de Pintura de Oliveira Tavares - Poética da Luz , que poderá ser visitada até 11 de janeiro de 2012.

Natural de Lisboa (1961), Oliveira Tavares reside atualmente em Borba, Portugal.
Frequentou o curso de Arquitectura no Instituto Superior Técnico, o curso de Desenho do A.R.C.O. e o curso de História da Arte na Sociedade Nacional de Belas-Artes, de que é membro. Encontra-se citado no catálogo da Exposição George de La Tour (ISBN 4-906536-32-8), no Museu de Arte Ocidental (Tóquio) e no livro Ingres Regards Croisés (ISBN 2856204643), publicado em França.

Site: www.oliveiratavares.com

Horário:
Dias úteis das 09h00 às 12h30/das 14h00 às 17h30.

POÉTICA DA LUZ
A pintura de Oliveira Tavares é uma Pintura de Luz.
As suas telas sempre acrescentam luz à luz sem a dividir, sendo cada uma das suas pinceladas, um hossana dado por suas mãos a QUEM a dispensa a todos nós para que a partilhemos.
Que nos oferece o Pintor pelas suas impressivas imagens?
Muitos sentimentos que, vivenciados, ora em vigília desperta, ora por sonhos rememorados, sugerem, exprimem, chamam. pois a sua força telúrica deseja transmitir-se, comunicar, expressar-se.
Torrentes de luz, ei-los, por vezes, limpos nos azuis, quentes nos doces e fortes amarelos, verdes águas criadoras, vermelhos, quais gritos não cabem em peito generoso, mas levantados em mãos suaves, delicadas, mesmo quentes...dedos, quais pétalas perfumando o silêncio.
Há rostos, bocas, dessas carnudas, quase disponíveis, mas seladas, interiores, secretas.
então, os olhos?!
Que suavidade! Que distância. Que força de expectativa, que descida pela interioridade...
Também se ouve música nas suas telas. Uma música antiga, nascida do vento dedilhando o vazio das ânforas, qual corpo de mulher que em sonhos se ouviu, ou viveu?
Há vezes em que o Pintor escreve Dor, e tantas são as letras dessa palavra que enchem uma tela até ao desespero ou até as mãos se renderem...
Se esvoaçam anjos ou, acaso, escutam, é porque eles desejam entrelaçar-se na vida e o pintor não os dispensa.
Dissemos que Oliveira Tavares pinta a luz e que baste que o abonemos com os olhares que todas as suas telas nos oferecem: eles se nos juntam para mais sermos da Vida.
Oliveira Tavares pinta a Vida, pois não a quer para si próprio.

João Tavares
Vila Viçosa, 8 de Novembro de 2011

Imagens da inauguração

Poderá ainda ficar a saber mais sobre a Casa Nobre da Rua de Burgos - imóvel afeto à Direcção Regional de Cultura do Alentejo - cuja Galeria acolhe esta exposição.

 

 

 

 


 

"Memórias de Terra" 

De 14 de abril a 3 de junho - Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa

Constituída por obras de cerâmica contemporânea, a exposição "Memórias de Terra", da artista Isabel Azeredo, encontra-se patente no Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa (concelho do Crato), onde poderá ser visitada até dia 3 de junho de 2012.

ISABEL AZEREDO

1966  NASCEU EM LISBOA

1982 - 85 CURSO DE INTRODUÇÃO ÁS ARTES PLÁSTICAS  DESIGN E ARQUITECTURA NA ESCOLA ANTONIO ARROIO

1986  CURSO PROFISSIONAL MOLDADOR / MODELADOR CERÂMICO NA ESCOLA ANTÓNIO ARROIO, SOB A ORIENTAÇÃO DO MESTRE QUERUBIM LAPA

1987 CURSO DE CERÂMICA DE ALTA TEMPERATURA  NO AR.CO - CENTRO DE ARTE E COMUNICAÇÃO VISUAL - SOB A ORIENTAÇÃO DO CERAMISTA ALBERTO CIDRAES.
PARTICIPA EM WORKSHOP SOBRE SERIGRAFIA / ESCULTURA COM O CERAMISTA ANTONIO PASCOAL - AR.CO
ASSISTENTE PARA A ÁREA DE OLARIA NO CURSO DE CERÂMICA LECCIONADO  PELO PROFESSOR / CERAMISTA ANTÓNIO VASCONCELOS, NO IADE- INSTITUTO DE ARTE E DECORAÇÃO.

1988  PARTICIPA NO WORKSHOP SOBRE VIDRO SOPRADO COM O ARTISTA BRITANICO RAY FLAVEL - AR.CO

1990  EM ITALIA,  ESTAGIA COM O CERAMISTA  GIANCARLO SCAPIM

1991  INGRESSA NA ESCOLA SUPERIOR DE BELAS ARTES DO PORTO, ONDE FREQUENTA
          O 1ª ANO

1992 - 93  FREQUENTA A ESCOLA SUPERIOR DE BELAS ARTES DE LISBOA


1993  INICIA COLABORAÇÃO COM O DESIGNER PEDRO LUNTA, APRESENTANDO ANUALMENTE COLECÇÕES DE DESIGN CERÂMICO COM PRODUÇÃO DE AUTOR
         

 EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

1993  " JOIAS DE TERRAS E FOGO"  MUSEU NACIONAL DO  TRAJE - LISBOA

1994  "CERÂMICAS "  GALERIA AUTO DAS BARCAS - PORTO

1997  EXECUÇÃO DE PAINEL DE AZULEJO PARA O HALL DO HOTEL" ROMA" - LISBOA

2000  "ESCULTURA CERÂMICA " GALERIA PEDROSEM - LISBOA

2001  "A NATUREZA DAS FORMAS "  CASA MUSEU DE BOCAGE - SETÚBAL

2002  "AZULEJOS "  GALERIA ARTITUDO - CASTELO DE VIDE

2003  "CERÂMICAS "  SOCIEDADE PORTUGUESA DE AUTORES - LISBOA

2004  "AZULEJOS "  GALERIA RATON - LISBOA
          "CERÂMICA - ULTIMOS TRABALHOS”  MUSEU DO CAFÉ -  CAMPO MAIOR

EXPOSIÇÕES COLECTIVAS

1988  EXPO ALUNOS DO AR.CO  FORUM PICOAS - LISBOA

1992  EXPO ALUNOS DA ESBAL -  ESCOLA SUPERIOR DE BELAS ARTES DE LISBOA - LISBOA
          "MUSEU ABERTO " - MONSARAZ


1994  "LISBOA DESIGN 94 "  CENTRO CULTURAL DE BELEM - LISBOA

2000  "LISBOA DESIGN 2000"  PALÁCIO GALVEIAS - LISBOA

2001  "PERFIL DE PORTUGAL"  FUNDAÇÃO CARLOS DE AMBERES  - MADRID, CONVITE DO ICEP
           "DESIGN PORTUGUES "  CENTRO "STILWERK" - BERLIM, CONVITE DO ICEP

2003  "CERÂMICA E DESIGN"  COM O DESIGNER PEDRO LUNTA - SIMENS FORUM - ALFRAGIDE
           "GERAÇÃO DE CERAMISTAS DA ESCOLA ANTÓNIO ARROIO “ GALERIA MUNICIPAL
           ARTUR BUAL - AMADORA

2004  "CERÂMICA E DESIGN " COM O DESIGNER PEDRO LUNTA, GALERIA MUNICIPAL DE
            PONTE DE SÔR

2005  VII BIENAL INTERNACIONAL DE CERÂMICA ARTISTICA DE AVEIRO
 
 
2007 - referenciada no livro do pintor Eduardo Nery  "AZULEJO-apreciação estética do azulejo" pág.82 (Edições Inapa)





Fique a saber mais sobre o Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa, onde se encontra patente a exposição

 

 

 

 

"FLOR DA ROSA" - EXPOSIÇÃO COLETIVA

A exposição coletiva Flor da Rosa - organizada pela Direção Regional de Cultura do Alentejo e Câmara Municipal do Crato - encontra-se patente no Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa, onde  poderá ser visitada até dia 7 de setembro, encontram-se representados os seguintes artistas:

Cláudia Tavares Soares - Cerâmica
Fátima Mateus - Pintura
Inês Carrelhas - Tapeçaria
Luís Leite Rio - Fotografia
Nico Gerrits - Escultura

A presente iniciativa conta com o apoio de Pousadas de Portugal.

Consulte aqui mais informação sobre o Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ADECORRER

Prémio Literário Joaquim Mestre - 1.ª edição - Candidaturas até 30 de setembro



EMAGENDA

<julho de 2017>
domsegterquaquisexsáb
25
26
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se