ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Évoramonte

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

Villa Romana de Torre de Palma

Castelo de Santiago do Cacém

Sé de Évora

Sé de Évora

Miróbriga

 

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

cultura_estatuto_profissionais22

Castelo de Viana do Alentejo

Castro da Cola (Ourique)

Castelo de Evoramonte

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Brincas de Évora

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Castelo de Arraiolos

Templo romano de Évora

Sé de Évora

Villa Romana de S. Cucufate

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

cavalo pintado

Villa Romana de S. Cucufate

Castelo da Amieira do Tejo

Viola Campaniça

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Castelo da Amieira do Tejo

Jangada de São Torpes

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Bonecos de São Bento do Cortiço

Miróbriga

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo de Belver

Gruta do escoural

Villa Romana de Torre de Palma

Destaques
Imprimir documento


Livro "Natureza de Poesia" será apresentado na DRCAlentejo, dia 3 de dezembro
16-11-2022
Livro "Natureza de Poesia" será apresentado na DRCAlentejo, dia 3 de dezembro

A Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo) acolhe a apresentação do livro "Natureza de Poesia" da autoria de António Bagão Félix e Ana Paula Figueira, editado por Blue Book, que terá lugar no próximo dia 3 de dezembro, pelas 17h00, na galeria de exposições da Casa de Burgos (sede da Direção Regional de Cultura), em Évora.


Uma explicação

 
Há uns poucos meses, a Ana Paula e eu encontrámo-nos numa rotunda. De palavras, sem semáforos. Ela, com dezoito delicados e sensíveis poemas que havia escrito; eu, com uns apontamentos em prosa, que serviram de apoio a uma participação num colóquio na Universidade do Porto.
 
Em estimulante troca de ideias, achámos que poderíamos juntar as palavras. A Ana Paula desafiou-me para que, com base nos meus apontamentos, associasse um texto a cada um dos seus poemas. Lembrei-me, então, do que Mia Couto disse, com sageza, sobre a poesia: "é um modo de ler o mundo e escrever nele um outro mundo". Daí, mãos à obra, que é como quem diz ao teclado do computador. Com base nos poemas, escrevi sobre o meu sentir de um outro mundo que também é o mundo: o arbóreo. Convidei uma hipotética árvore e pu-la a testemunhar o seu percurso de existência, entre versos da nossa natureza.
 
Assim, nasceram dezoito pares "poema-texto", ordenados segundo uma perceptível sequência da vida, nas suas multifacetadas e quase paradoxais abordagens humana, botânica, ética, estética e afectiva. Por outras palavras, lançámos uma sementeira onde germinassem palavras de respostas a pontos de interrogação, numa conjugação entre a realidade ficcionada e a ficção realizada.
 
Achámos que este conjunto de uma poesia humana e de uma prosa botânica poderia ser interessante, por via de uma interacção entre nós e a natureza de que também fazemos parte, ou seja, da nossa "casa comum". Procurámos fazê-lo com abertura ao futuro, delicadeza e sensibilidade, quiçá atrevimento.
 
Depois, surgiu a ideia de publicar estes textos, ainda que com características editoriais não padronizadas. Às palavras juntámos sensíveis cianotipias de Nuno Abelho. E, assim, chegámos a uma topiária poética, talhando azevinhos de adjectivos, loureiros de verbos, madressilvas de substantivos e hibiscos de cianotipias.
 
E assim se fez este livrinho, com dezoito entradas e outras tantas janelas. Para o mundo contido no Mundo. Ou, como a Ana Paula diz num dos seus poemas, para "ver o mundo a rodar / vivo, animado, colorido /com significado".
 
António Bagão Félix em Abril de 2022
 
 


 
António Bagão Félix

Economista. Foi Ministro e Secretário de Estado em vários governos nas áreas das Finanças, Segurança Social e Trabalho. Foi conselheiro de Estado, vice-governador do Banco de Portugal, administrador nos seguros e na banca, presidente da Comissão Justiça e Paz e membro de órgãos sociais de várias ONG e IPSS. Condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.
Tem muitas publicações técnicas e vários livros, entre os quais, Do lado de cá ao deus-dará (2002), O cacto e a rosa (2008), O conto do Vigário (sobre texto de Fernando Pessoa) (2011) Trinta árvores em discurso directo (2013), Ética Aplicada à Protecção Social (coord.) (2018), Raízes de vida (2019) e Um dia haverá (2020).
 
 
 
Ana Paula Figueira

Doutorada em Gestão de Empresas, na área específica do Marketing. Concluiu em 2011 o Pós doutoramento no Centro de Estudos Geográficos (IGOT/Universidade de Lisboa). Professora Coordenadora no Instituto Politécnico de Beja. Foi Pró-Presidente para o Planeamento, Marketing e Comunicação no Instituto Politécnico de Beja (2017-2021).
Escreve regularmente artigos de opinião em dois jornais regionais.
Nos últimos anos tem editado, para além de livros técnicos, algum trabalho na área da ficção. É co-autora da obra 13...sem reservas nem tabus (2010), e autora dos livros amor e bondade com cheiro a madressilva (2011), Marketing Territorial - uma nova dimensão do marketing (2011), Caleidoscópio 11211 - colectânea ilustrada de colunas de opinião (2012), Governança Territorial em Rede - medição da notoriedade e avaliação do desempenho de uma parceria interorganizacional (2013), Sem óculos-cor-de-rosa (2013), Caleidoscópio 11212 - colectânea ilustrada de colunas de opinião (2013), Será que amanhã ainda me amas? (2014), Na luz branca de Lisboa (2014), Caleidoscópio 11213 - colectânea ilustrada de colunas de opinião (2015), Caleidoscópio 11214 - colectânea ilustrada de colunas de opinião (2015), Era uma vez... (2015), As voltas do teu coração (2016), Corajosamente (2016), A estrela de Klahan (2017), Raízes de vida (2019), em co-autoria com António Bagão Félix e, Marketing Educacional - uma aplicação ao IPBeja (2021). Estreou-se como letrista em 2021, tendo assinado as letras dos temas que integram o álbum de música popular intitulado Âmbria (Banda Luzazul).
 
 
 
Nuno Abelho
Designer de Moda e Artista Visual.
Formado em Design de Moda/Estilismo industrial (CIVEC, Lisboa) e Licenciado em Artes Plásticas (Universidade de Évora).
Nasceu em Lisboa, mas de raízes alentejanas, reside e trabalha em Elvas, cidade onde funciona o seu atelier desde 2008. Desenvolve coleções de vestuário com a sua própria marca, figurinos e peças à medida. Dando grande importância à preservação de técnicas tradicionais transpostas para a atualidade, as suas criações aliam processos de construção e acabamentos próximos da Alta Costura com o Design Industrial. O seu trabalho como Designer de Moda está representado no Museu Nacional do Traje, em Lisboa.
Como Artista Visual explora e desenvolve os médios da Fotografia, Serigrafia e Cianotipia. Participa regularmente em exposições individuais e coletivas.
A participação no livro Natureza de Poesia, onde contribui com uma série de cianotipias de flores e os retratos dos autores, surgiu do convite de Ana Paula Figueira com quem colaborou em projetos anteriores. A escolha da representação de flores em cianotipia remete para os primórdios desta técnica que remonta ao século XIX, quando se desenvolviam os primeiros processos fotográficos, e se editou um herbário de cianotipias.

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Documentário "Michel Formentelli" RELATÓRIO "Strengthening cultural heritage resilience for climate change"Serviço "Filmar em Portugal"Estudo "CULTURA NO PÓS ALENTEJO-2020""Covid@Alentejo, olhares" tem plataforma disponível sobre o projetoPrograma Educação Patrimonial 2022Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura



EMAGENDA

<dezembro de 2022>
domsegterquaquisexsáb
27
28
29
30
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se