ESTÁ AQUI: INÍCIO | Destaques
| MAPA DO SITE | EMAIL | PROCURAR
SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA
Voltar à pagina de entrada!

Castelo da Amieira do Tejo

Abóbada da Basílica Real de Castro Verde

Jangada de São Torpes

Sé de Évora

Castelo de Santiago do Cacém

Castelo e Igreja do Salvador (Arraiolos)

Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura

Castelo de Arraiolos

Villa Romana de S. Cucufate

Grupo Cubenses Amigos do Cante

Castelo e Igreja Matriz de Viana do Alentejo

Templo romano de Évora

Bonecos de São Bento do Cortiço

Castelo da Amieira do Tejo

Sé de Évora

Gruta do escoural

Castelo de Viana do Alentejo

Évoramonte

Centro Interpretativo do Castro da Cola (Ourique)

Villa Romana de S. Cucufate

Miróbriga

cultura_estatuto_profissionais22

Castelo de Evoramonte

cavalo pintado

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Viana do Alentejo

Profs_cultura_estatuto1_banner22

Castro da Cola (Ourique)

Sé de Évora

Villa Romana de Torre de Palma

 

Viola Campaniça

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa

Castelo de Belver

Miróbriga

Villa Romana de Torre de Palma

Brincas de Évora

Destaques
Imprimir documento


CAS revela fascínio pelo mar e rios na arte europeia
12-12-2022
CAS revela fascínio pelo mar e rios na arte europeia


Imagem: Alfred Ost, "Içando as Redes" (1910). Carvão sobre cartolina


O Centro das Artes de Sines apresenta, entre 17 de dezembro do presente ano e 17 de fevereiro de 2023, a exposição "Águas Vivas: Mares, Rios e Lagos na Arte Europeia (Séculos XVII-XX)". Esta mostra, com curadoria do historiador de arte José António Falcão, revela-se uma oportunidade única para conhecer perto de uma centena de obras portuguesas e internacionais, quase todas inéditas, provenientes de coleções do Alentejo.

Incolor, inodora, insípida, a água é também, quando observada em pequenas espessuras, transparente. Já as grandes espessuras conferem-lhe a característica cor verde-azulada, povoada de mistério. Recurso natural finito, composto de hidrogénio e oxigénio (H2O), a água também se manifesta no estado gasoso ou sólido. De tão indispensável, equivale à própria existência. Daí envolver inúmeras referências simbólicas, como fonte da vida, meio de purificação e centro de regeneração.

A água constitui, do ponto de vista psíquico, um reflexo das energias inconscientes, das pulsões mais profundas do espírito, dos fios secretos que regem o globo. Acresce que a fluidez das formas, o movimento irreversível ou transitório, o pitoresco dos sítios (e de tudo o que os habita) deram larga projeção ao mar, aos rios e aos lagos no contexto das artes visuais, desde os primórdios da atividade artística à criação contemporânea, suscitando a paixão dos pintores.

É este o fio condutor de uma reflexão plural que subjaz à exposição "Águas Vivas: Mares, Rios e Lagos na Arte Europeia (Séculos XVII-XX)" . Oportunidade para revelar perto de uma centena de obras de arte, provenientes de coleções do Alentejo, que evocam diferentes dimensões dos mares, rios e lagos, sob o olhar de grandes mestres da arte europeia, especialistas em marinhas. A mostra abrange igualmente obras de autores portugueses que trabalharam em Sines, como Emmerico Nunes, Nikias Skapinakis, Álvaro Perdigão ou Graça Morais.

Fruto de um esforço de sistematização de escolas e tendências, a exposição organiza-se em torno de quatro núcleos temáticos. O primeiro, "Atmosferas, Horizontes, Impressões", expressa o apelo ao olhar que constituem as extensões aquáticas. Imagens da dinâmica vital, refletem tanto o habitat como o "estado de espírito". Não surpreende que se tornassem um foco de especial atenção dos artistas, que encontraram nelas, ao longo dos tempos, um intenso estímulo criativo - e um profundo motivo de reflexão.

Mas a figuração dos espelhos líquidos é também, amiúde, um aflorar de sítios mágicos e misteriosos, um apelo à expressão de emoções.

Navigare necesse est, "é preciso navegar", frase atribuída por Plutarco a Pompeu, manifesta a importância, real e simbólica, de singrar as águas numa embarcação. A representação de temas navais conheceu larga expressão na arte, abrangendo episódios bélicos, gestas heróicas, cenas do quotidiano, representações de toda a sorte de embarcações e respetivos apetrechos, tripulações e fainas, muitas vezes com grande pormenor. Algo que cobra especial sentido num concelho, como o de Sines, onde a navegação e a pesca possuem grandes tradições.

Importantes fontes de sustento, as águas suscitam todo um vasto conjunto de atividades ao seu redor. Não surpreende, por isso, que a pesca tenha interessado deveras os artistas, proporcionando-lhes um opulento reportório de motivos e temas. O núcleo "Os Trabalhos e os Dias" exorta a pesca enquanto anamnese - uma recordação penetrante - que permite ir ao encontro de elementos do inconsciente. As riquezas que o pescador extrai dos oceanos ou dos rios assemelham-se, em certa medida, aos resultados das forças espontâneas que presidem ocultamente ao mundo.

Tudo brota da água e, de alguma forma, tudo a ela regressa. Nos horizontes dos oceanos, rios e lagos contém-se a infinidade do possível, estado quase sempre fluído e transitório, porta aberta à vida e à morte. Daí a sua relevância simbólica e a sua ligação à presença humana. O núcleo "Uma Miríade de Signos" recorda-nos que no elemento água coabitam a ordem e o caos, a ação e a contemplação. Nele se evidencia também, com frequência, a intervenção do Divino.

Tudo isto cobra um especial sentido em Sines, a terra natal de Vasco da Gama, uma localidade
estruturalmente ligada, pela geografia e pela história, ao Atlântico. Concebida como uma homenagem à sua comunidade piscatória, a exposição lembra também Al Berto, o poeta que dedicou grande parte da sua obra a Sines.

A mostra tem curadoria do historiador da arte José António Falcão e museografia do arquiteto Ricardo Pereira e da conservadora-restauradora Sara Fonseca.

"Águas Vivas: Mares, Rios e Lagos na Arte Europeia (Séculos XVII-XX)" é uma iniciativa do Centro de Artes de Sines e do Museu de Sines, em parceria com a Real Sociedade Arqueológica Lusitana e a Pedra Angular - Associação de Salvaguarda do Património do Alentejo, com o apoio da União Europeia, através do Programa Operacional Mar 2020 (Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas).

[ voltar ]

 

 

ADECORRER

Évora, e o Alentejo, serão Capital Europeia da Cultura em 2027Documentário "Michel Formentelli" RELATÓRIO "Strengthening cultural heritage resilience for climate change"Serviço "Filmar em Portugal"Estudo "CULTURA NO PÓS ALENTEJO-2020""Covid@Alentejo, olhares" tem plataforma disponível sobre o projetoPrograma Educação Patrimonial 2022Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura



EMAGENDA

<fevereiro de 2023>
domsegterquaquisexsáb
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
 


SUBSCREVANEWSLETTER

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se